35 países onde os EUA apoiaram fascistas, narcotraficantes e terroristas

Texto original (2014) por Nicolas J. S. Davies

Um útil guia de A a Z do crime internacional apoiado pelos EUA
Extrema-direita ucraniana

Os EUA estão apoiando o partido de extrema direita da Ucrânia, Svoboda, bem como violentos neonazistas, cuja revolta armada abriu caminho para um golpe apoiado pelo Ocidente. Os acontecimentos na Ucrânia estão nos dando outro vislumbre através das falsas guerras de propaganda dos EUA contra o fascismo, as drogas e o terrorismo. A cruel realidade por trás é que o governo dos EUA tem um registro longo e ininterrupto de trabalhar com fascistas, ditadores, narcotraficantes e patrocinadores estatais do terrorismo em todas as regiões do mundo em sua busca evasiva mas implacável de poder global incontestável.

Por trás de uma rede de impunidade e proteção do Departamento de Estado e da CIA, clientes e fantoches norte-americanos se envolveram nos piores crimes conhecidos, desde assassinatos e torturas até golpes e genocídios. O rastro de sangue desta carnificina e caos leva diretamente aos degraus do Capitólio dos EUA e da Casa Branca. Como o historiador Gabriel Kolko observou em 1988: “A noção de um fantoche honesto é uma contradição que Washington não conseguiu resolver em nenhum lugar do mundo desde 1945”. O que se segue é um breve guia de A a Z sobre a história desses erros.

1. Afeganistão

Nos anos 80, os EUA trabalharam com o Paquistão e a Arábia Saudita para derrubar o governo socialista do Afeganistão. Financiou, treinou e armou forças conduzidas por líderes tribais conservadores cujo o poder foi ameaçado pelos progressos de seu país em educação, direitos das mulheres e reforma agrária. Depois que Mikhail Gorbachev retirou as forças soviéticas em 1989, esses Senhores da Guerra apoiados pelos EUA arruinaram o país e aumentaram a produção de ópio para um nível sem precedentes de 2.000 a 3.400 toneladas por ano. O governo talibã cortou a produção de ópio em 95% em dois anos entre 1999 e 2001, mas a invasão dos EUA em 2001 restaurou os senhores da guerra e os senhores das drogas ao poder. O Afeganistão ocupa agora o 175º lugar entre os 177 países do mundo em matéria de corrupção, 175º entre 186 no desenvolvimento humano e, desde 2004, produz um volume sem precedentes de 5300 toneladas de ópio por ano. O irmão do presidente Karzai, Ahmed Wali Karzai, era conhecido como um traficante da CIA. Depois de uma grande ofensiva dos EUA na província de Kandahar em 2011, o coronel Abdul Razziq foi nomeado chefe de polícia provincial, impulsionando uma operação de contrabando de heroína que já lhe rendeu US $ 60 milhões por ano em um dos países mais pobres do mundo.

2. Albânia

Entre 1949 e 1953, os EUA e o RU se propuseram a derrubar o governo da Albânia, o minúsculo país comunista mais vulnerável da Europa Oriental. Os exilados foram recrutados e treinados para retornar à Albânia para provocar discordâncias e planejar uma revolta armada. Muitos dos exilados envolvidos no plano foram antigos colaboradores da ocupação italiana e alemã durante a Segunda Guerra Mundial. Entre eles estavam o ex-ministro do Interior Xhafer Deva, que supervisionou as deportações de “judeus, comunistas, partidários e pessoas suspeitas” (como descrito em um documento nazista) para Auschwitz. Documentos desclassificados dos EUA revelaram desde então que Deva era um dos 743 criminosos de guerra fascistas recrutados pelos EUA após a guerra.

3. Argentina

Os documentos dos EUA abertos em 2003 detalharam as conversas entre o secretário de Estado dos EUA, Henry Kissinger, e o chanceler argentino Almirante Guzzetti, em outubro de 1976, pouco depois que a junta militar tomou o poder na Argentina. Kissinger aprovou explicitamente a “guerra suja” da junta, a qual matou até 30 mil, a maioria jovens, e roubou 400 crianças das famílias de seus pais assassinados. Kissinger disse a Guzzetti: “Olha, nossa atitude básica é que gostaríamos que você tivesse sucesso … quanto mais rápido você conseguir, melhor”. O embaixador dos Estados Unidos em Buenos Aires informou que Guzzetti “retornou em estado de júbilo, convencido de que não há problema real com o governo dos EUA sobre essa questão”. (“Daniel Gandolfo”, “Presente!”)

4. Brasil

Em 1964, o general Castelo Branco liderou um golpe que provocou 20 anos de brutal ditadura militar. O adido militar Vernon Walters, mais tarde Diretor Adjunto da CIA e Embaixador da ONU, conheceu bem Castelo Branco durante a Segunda Guerra Mundial, na Itália. Sendo um oficial clandestino da CIA, os registros de Walters do Brasil nunca foram abertos, mas a CIA forneceu todo o apoio necessário para garantir o sucesso do golpe, incluindo o financiamento de grupos operários e estudantis da oposição em protestos de rua, como na Ucrânia e na Venezuela de hoje. Uma força anfíbia da Marinha norte-americana próxima à São Paulo não foi necessária. Como outras vítimas dos golpes apoiados pelos Estados Unidos na América Latina, o presidente eleito João Goulart era um latifundiário rico, não um comunista, mas seus esforços para permanecer neutro na Guerra Fria eram tão inaceitáveis para Washington quanto a recusa do presidente Yanukovich de entregar a Ucrânia ao Ocidente 50 anos depois.

Ditadura militar brasileira

5. Camboja

Quando o presidente Nixon ordenou o bombardeio secreto e ilegal do Camboja em 1969, os pilotos americanos foram ordenados a falsificar seus registros para ocultar seus crimes. Eles mataram pelo menos meio milhão de cambojanos, derrubando mais bombas do que na Alemanha e no Japão combinados na Segunda Guerra Mundial. Quando o Khmer Vermelho ganhou força em 1973, a CIA informou que sua “propaganda tem sido mais eficaz entre os refugiados submetidos a ataques B-52”. Depois que o Khmer Vermelho matou pelo menos 2 milhões de seu próprio povo e foi finalmente expulso pelo exército vietnamita em 1979, o Grupo de Emergência de Kampuchea dos EUA, baseado na Embaixada dos EUA em Bangkok, começou a alimentá-los e fornecê-los como a “resistência” ao novo governo cambojano apoiado pelos vietnamitas. Sob pressão dos EUA, o Programa Mundial de Alimentos forneceu US$ 12 milhões para alimentar 20 mil a 40 mil soldados do Khmer Vermelho. Por pelo menos mais uma década, a Agência de Inteligência de Defesa dos Estados Unidos forneceu ao Khmer informações de satélite, enquanto forças especiais norte-americanas e britânicas treinavam-nas para colocar milhões de minas terrestres em todo o Camboja ocidental, que matam ou mutilam centenas de pessoas todos os anos.

6. Chile

Quando Salvador Allende assumiu a presidência em 1970, o presidente Nixon prometeu “fazer gritar a economia” no Chile. Os EUA, o maior parceiro comercial do Chile, cortaram o comércio para causar escassez e caos econômico. A CIA e o Departamento de Estado realizaram sofisticadas operações de propaganda no Chile durante uma década, financiando políticos conservadores, partidos, sindicatos, grupos de estudantes e todas as formas de mídia, ao mesmo tempo que expandiam os laços com os militares. Depois que o general Pinochet tomou o poder, a CIA manteve funcionários chilenos em sua folha de pagamento e trabalhou em estreita colaboração com a agência de inteligência DINA do Chile, quando o governo militar matou milhares de pessoas e prendeu e torturou dezenas de milhares. Enquanto isso, os “Chicago Boys”, mais de 100 estudantes chilenos enviados por um programa do Departamento de Estado para estudar sob orientaçaõ de Milton Friedman na Universidade de Chicago, lançaram um programa radical de privatização, desregulamentação e políticas neoliberais que mantinham a economia gritando para a maioria dos chilenos durante 16 anos de ditadura militar.

7. China

Até o final de 1945, 100.000 tropas dos EUA estavam lutando ao lado das forças chinesas do Kuomintang (e do Japão) em áreas do norte da China ocupadas pelos comunistas. Chiang Kai-Shek e o Kuomintang podem ter sido os mais corruptos de todos os aliados dos EUA. Um fluxo constante de conselheiros dos EUA na China alertou que a ajuda americana estava sendo roubada por Chiang e seus amigos, alguns dos quais até vendidos aos japoneses, mas o compromisso dos EUA com Chiang continuou durante toda a guerra, sua derrota pelos comunistas e seu governo Taiwan. OA diplomacia arriscada do Secretário de Estado Dulles em favor de Chiang, levou duas vezes os EUA à beira da guerra nuclear com a China em 1955 e 1958 por Matsu e Qemoy, duas pequenas ilhas ao largo da costa chinesa.

 

8. Colômbia

Quando forças especiais dos EUA e DEA ajudaram as forças colombianas a localizar e matar o narcotraficante Pablo Escobar, eles trabalharam com um grupo de vigilantes chamado Los Pepes. Em 1997, Diego Murillo-Bejarano e outros líderes de Los Pepes co-fundaram a AUC (United Self Defense Forces of Colombia), responsável por 75% das mortes civis violentas na Colômbia nos próximos 10 anos.

Carlos Castano, líder do grupo paramilitar de direita Los Pepes, Colômbia

9. Cuba

Os Estados Unidos apoiaram a ditadura de Batista, criando as condições repressivas que levaram à Revolução Cubana, matando até 20 mil de seu próprio povo. O ex-embaixador dos Estados Unidos, Earl Smith, testemunhou ao Congresso que “os EUA tinham uma influência tão esmagadora em Cuba que o embaixador americano era o segundo homem mais importante, às vezes ainda mais importante do que o presidente cubano”. Após a revolução, a CIA lançou uma longa campanha de terrorismo contra Cuba, treinando exilados cubanos na Flórida, na América Central e na República Dominicana para cometer assassinatos e sabotagem em território cubano. As operações apoiadas pela CIA contra Cuba incluíram a tentativa de invasão na Baía dos Porcos, na qual 100 exilados cubanos e quatro americanos foram mortos; várias tentativas de assassinatos de Fidel Castro e sucessivos assassinatos de outros funcionários; vários bombardeamentos em 1960 (três americanos mortos e dois capturados) e atentados terroristas dirigidos a turistas em 1997; o aparente bombardeio de um navio francês no porto de Havana (pelo menos 75 mortos); um ataque biológico de gripe suína que matou meio milhão de porcos; e o bombardeio terrorista de um avião cubano (78 mortos) planejado por Luis Posada Carriles e Orlando Bosch, que permanecem livres na América apesar da pretensão americana de travar uma guerra contra o terrorismo. À Bosch foi concedido um perdão presidencial pelo primeiro presidente Bush.

 

10. El Salvador

A guerra civil que varreu El Salvador na década de 1980 foi um levante popular contra um governo que se manteve com uma imensa brutalidade. Pelo menos 70.000 pessoas foram mortas e milhares desaparecidas. A Comissão da Verdade da ONU descobriu que 95% dos mortos foram mortos por forças governamentais e esquadrões da morte, e apenas 5% por guerrilheiros da FLMN. As forças governamentais responsáveis ​​por este abate unilateral foram muito bem estabelecidas, treinadas, armadas e supervisionadas pela CIA, pelas forças especiais dos EUA e pela Escola dos Estados Unidos da América. A Comissão da Verdade da ONU descobriu que as unidades culpadas dos piores atrocidades, como o Batalhão Atlacatl que conduziu o massacre infame de El Mozote, foram precisamente as mais supervisionadas pelos conselheiros americanos. O papel norte-americano na campanha de terrorismo de Estado é agora saudado por altos oficiais militares dos EUA como um modelo de “contra-insurgência” na Colômbia e em outros lugares, a medida que a guerra contra o terrorismo dos Estados Unidos promove sua violência e caos em todo o mundo

 

11. França

Na França, na Itália, na Grécia, na Indochina, na Indonésia, na Coreia e nas Filipinas, no final da Segunda Guerra Mundial, as forças aliadas avançadas descobriram que as forças de resistência comunistas ganharam controle efetivo de grandes áreas ou até de países inteiros enquanto as forças alemãs e japonesas se retiravam ou se rendiam. Em Marselha, o sindicato comunista CGT controlava as docas que eram críticas ao comércio com os EUA e o plano Marshall. O OSS havia trabalhado com a máfia norte-siciliana e gangsters corsos durante a guerra. Então, depois que o OSS se fundiu na nova CIA depois da guerra, usou seus contatos para recolocar gangsters corsos no poder em Marselha, para quebrar greve de cais e o controle da CGT sobre as docas. Protegeu os corsos quando montaram laboratórios de heroína e começaram a enviar heroína para Nova York, onde a mafia americana-siciliana também floresceu sob a proteção da CIA. Ironicamente, as interrupções na oferta devido à guerra e à Revolução Chinesa haviam reduzido o número de viciados em heroína nos EUA para 20.000 em 1945 e a dependência de heroína havia sido praticamente eliminada, mas a infame Conexão Francesa da CIA trouxe uma nova onda de dependência de heroína, crime organizado e violência relacionada a drogas em Nova York e outras cidades americanas.

 

12. Gana

Parece não haver nenhum líder nacional inspirador na África estes dias. Mas isso pode ser culpa da América. Nas décadas de 1950 e 1960, havia uma estrela em ascensão em Gana: Kwame Nkrumah. Ele foi primeiro-ministro sob o domínio britânico de 1952 a 1960, quando o Gana tornou-se independente, e tornou-se presidente. Era um socialista, um pan-africano e um anti-imperialista, e, em 1965, escreveu um livro chamado Neo-Colonialism: The Last Stage of Imperialism. Nkrumah foi derrubado por um golpe da CIA em 1966. A CIA negou envolvimento na época, mas a imprensa britânica informou mais tarde que 40 oficiais da CIA operavam a partir da Embaixada dos EUA “distribuindo generosamente segredos do Presidente Nkrumah aos seus adversários” e que seus trabalhos “eram totalmente recompensados”. O ex-oficial da CIA John Stockwell revelou mais sobre o papel decisivo da CIA no golpe em seu livro In Search of Enemies.

 

 13. Grécia

Quando as forças britânicas desembarcaram na Grécia em outubro de 1944, encontraram o país sob o controle efetivo do ELAS-EAM, o grupo partidário esquerdista formado pelo Partido Comunista Grego em 1941, depois da invasão italiana e alemã. ELAS-EAM deu as boas vindas às forças britânicas, mas os britânicos recusaram qualquer acordo com eles e instalaram um governo que incluía monarquistas e colaboradores nazistas. Quando a ELAS-EAM realizou uma manifestação em Atenas, a polícia abriu fogo e matou 28 pessoas. Os britânicos recrutaram membros dos Batalhões de Segurança treinados pelos nazistas para caçar e prender membros do ELAS, que mais uma vez tomaram as armas como um movimento de resistência. Em 1947, com uma guerra civil furiosa, os ingleses enfraquecidos pediram aos EUA que assumissem o seu papel na Grécia ocupada. O papel dos EUA em apoiar um governo fascista incompetente na Grécia foi consagrado na “Doutrina Truman”, visto por muitos historiadores como o início da Guerra Fria. Os combatentes do ELAS-EAM entregaram as armas em 1949 depois que a Iugoslávia retirou seu apoio, e 100 mil foram executados, exilados ou presos. O primeiro-ministro liberal Georgios Papandreou foi derrubado em um golpe apoiado pela CIA em 1967, levando a mais sete anos de governo militar. Seu filho Andreas foi eleito como o primeiro presidente “socialista” da Grécia em 1981, mas muitos membros do ELAS-EAM presos na década de 1940 nunca foram libertados e morreram na prisão.

 

14. Guatemala

Depois de sua primeira operação para derrubar um governo estrangeiro no Irã em 1953, a CIA lançou uma operação mais elaborada para remover o governo liberal eleito de Jacobo Arbenz na Guatemala em 1954. A CIA recrutou e treinou um pequeno exército de mercenários sob o exilado guatemalteco Castillo Armas para invadir a Guatemala, com 30 aviões não registrados dos EUA fornecendo apoio aéreo. O embaixador americano Peurifoy preparou uma lista de guatemaltecos a serem executados, e Armas foi instalado como presidente. O reinado de terror que se seguiu levou a 40 anos de guerra civil, em que pelo menos 200.000 foram mortos, a maioria deles indígenas. O clímax da guerra foi a campanha de genocídio em Ixil pelo presidente Rios Montt, pelo qual foi condenado à prisão perpétua em 2013, até que o Supremo Tribunal da Guatemala o resgatou por um tecnicismo. Um novo julgamento está programado para 2015. Documentos da CIA desclassificados revelam que a administração Reagan estava bem consciente do caráter indiscriminado e genocida das operações militares guatemaltecas quando aprovou uma nova ajuda militar em 1981, incluindo veículos militares, peças sobressalentes para helicópteros e conselheiros militares dos EUA . Os documentos da CIA detalham o massacre e a destruição de aldeias inteiras e concluem: “A bem-documentada crença do exército de que toda a população indiana Ixil é pró-EGP criou uma situação na qual espera-se que o exército não dar nenhum alojamento aos combatentes e aos não-combatentes igualmente.”

Efraín Ríos Montt, condenado por genocídio

15. Haiti

Quase 200 anos após a rebelião de escravos que criou a nação do Haiti e derrotou os exércitos de Napoleão, o povo do Haiti, que sofria há muito tempo, finalmente elegeu um governo verdadeiramente democrático liderado pelo padre Jean-Bertrand Aristide em 1991. Mas o presidente Aristide foi derrubado em uma guerra com os EUA, depois de oito meses no poder, e a Agência de Inteligência de Defesa dos Estados Unidos (DIA) recrutou uma força paramilitar chamada FRAPH para atacar e destruir o movimento Lavalas de Aristide no Haiti. A CIA colocou o líder do FRAPH Emmanuel “Toto” Constant em sua folha de pagamento e enviou armas da Flórida. Quando o presidente Clinton enviou uma força de ocupação dos EUA para restaurar Aristide em 1994, os membros do FRAPH detidos pelas forças dos EUA foram libertados por ordem de Washington e a CIA manteve o FRAPH como uma quadrilha criminosa para minar Aristide e Lavalas. Depois de Aristide ser eleito presidente pela segunda vez em 2000, uma força de 200 forças especiais dos EUA treinou 600 ex-membros do FRAPH e outros na República Dominicana para se preparar para um segundo golpe. Em 2004, lançaram uma campanha de violência para desestabilizar o Haiti, que forneceu o pretexto para as forças americanas aterrarem no Haiti e remover Aristide do seu cargo.

 

16. Honduras

O golpe de 2009 em Honduras levou a repressão severa e assassinatos de esquadrões da morte de adversários políticos, sindicalistas e jornalistas. Na época do golpe, funcionários norte-americanos negaram qualquer papel no golpe e usaram a semântica para evitar cortar a ajuda militar dos EUA conforme exigido pela lei dos EUA. Mas dois vazamentos do Wikileaks revelaram que a embaixada dos EUA foi o principal agente para administrar as conseqüências do golpe e formar um governo que agora está reprimindo e assassinando seu povo.

 

17. Indonésia

Em 1965, o general Suharto tomou o poder efetivo do presidente Sukarno com o pretexto de combater um golpe fracassado e desencadeou uma onda de assassinatos em massa que matou pelo menos meio milhão de pessoas. Os diplomatas norte-americanos admitiram mais tarde a possibilidade de fornecer listas de 5.000 membros do Partido Comunista a serem mortos. O oficial político Robert Martens disse: “Foi realmente uma grande ajuda para o exército, provavelmente mataram muitas pessoas, e eu provavelmente tenho muito sangue nas mãos, mas isso não é tão ruim. Ataque duro em um momento decisivo.”

 

18. Irã

O Irã pode ser o caso mais instrutivo de um golpe da CIA que causou intermináveis problemas de longo prazo para os Estados Unidos. Em 1953, a CIA eo MI6 derrubaram o popular e eleito governo de Mohammed Mossadegh. O Irã havia nacionalizado sua indústria petrolífera por um voto unânime do parlamento, terminando com um monopólio da BP que só pagava ao Irã uma parte de 16% sobre seu petróleo. Por dois anos, o Irã resistiu a um bloqueio naval britânico e sanções econômicas internacionais. Depois que o presidente Eisenhower tomou posse em 1953, a CIA concordou com um pedido britânico para intervir. Depois que o golpe inicial falhou e o Xá e sua família fugiram para a Itália, a CIA pagou milhões de dólares para subornar oficiais militares e pagar gangsters para desencadear a violência nas ruas de Teerã. Mossadegh foi finalmente removido e o Xá voltou a governar como um fantoche ocidental brutal até a Revolução Iraniana em 1979.

19. Israel

Criança palestina e tanque israelense

Assim como os Estados Unidos usam seu poder econômico e militar, seu sofisticado sistema de propaganda e sua posição como Membro Permanente do Conselho de Segurança da ONU para violar o direito internacional com impunidade, também usam as mesmas ferramentas para proteger seu aliado Israel de responder por crimes internacionais . Desde 1966, os Estados Unidos usaram seu veto do Conselho de Segurança 83 vezes, mais do que os outros quatro Membros Permanentes juntos, e 42 desses vetos foram sobre resoluções relacionadas a Israel e / ou Palestina. Na semana passada, a Anistia Internacional publicou um relatório segundo o qual “as forças israelenses demonstraram um insensível desprezo pela vida humana ao matar dezenas de civis palestinos, incluindo crianças, na Cisjordânia ocupada nos últimos três anos com quase total impunidade”. Richard Falk, Relator Especial da ONU para os Direitos Humanos nos Territórios Ocupados, condenou o ataque de 2008 a Gaza como uma “violação maciça do direito internacional”, acrescentando que nações como os EUA “que forneceram armas e apoiaram o cerco são cúmplices nos crimes”. A Lei Leahy exige que os EUA suspendam a ajuda militar a forças que violam os direitos humanos, mas nunca foi aplicada contra Israel. Ele continua a construir assentamentos em violação da IV Convenção de Genebra, tornando mais difícil cumprir as resoluções do Conselho de Segurança que exigem que se retire do território ocupado. Israel permanece além do Estado de direito, protegido da responsabilidade por seu poderoso patrono, os Estados Unidos.

 

20. Iraque

Em 1958, depois que a monarquia apoiada pelo Reino Unido foi derrubada pelo general Abdul Qasim, a CIA contratou um iraquiano de 22 anos chamado Saddam Hussein para assassinar o novo presidente. Hussein e sua gangue falharam no trabalho e ele fugiu para o Líbano, ferido na perna por um de seus companheiros. A CIA alugou-lhe um apartamento em Beirute e depois mudou-o para o Cairo, onde foi pago como um agente da inteligência egípcia e foi um visitante freqüente na Embaixada dos EUA. Qasim foi morto em um golpe baathista apoiado pela CIA em 1963, e como na Guatemala e na Indonésia, a CIA deu ao novo governo uma lista de pelo menos 4.000 comunistas a serem mortos. Mas, uma vez no poder, o governo revolucionário baathista não era um fantoche ocidental, e nacionalizou a indústria petrolífera do Iraque, adotou uma política externa nacionalista árabe e construiu os melhores sistemas de educação e saúde no mundo árabe. Em 1979, Saddam Hussein tornou-se presidente, conduziu purgas de opositores políticos e lançou uma guerra desastrosa contra o Irã. A DIA dos EUA forneceu inteligência por satélite para atacar armas químicas que o Ocidente ajudou a produzir, e Donald Rumsfeld e outros funcionários norte-americanos o receberam como um aliado contra o Irã. Somente depois que o Iraque invadiu o Kuwait e Hussein tornou-se mais útil como inimigo, a propaganda norte-americana o chamou de “um novo Hitler”. Depois que os Estados Unidos invadiram o Iraque sob pretensões falsas em 2003, a CIA recrutou 27 brigadas de “Polícia Especial”, mesclando as mais brutais forças de Saddam Hussein com a milícia Badr treinada pelo Irã para formar esquadrões da morte que assassinaram dezenas de milhares de sunitas árabes homens e meninos em Bagdá e em outros lugares, criando um reinado de terror que continua até hoje.

 

21. Coreia

Quando as forças americanas chegaram à Coréia em 1945, foram recebidas por funcionários da República Popular da Coréia (KPR), formada por grupos de resistência que desarmaram as forças japonesas e começaram a estabelecer a lei e a ordem em toda a Coréia. O General Hodge mandou expulsa-los de seu escritório e colocou a metade sul da Coreia sob a ocupação militar dos EUA. Em contraste, as forças russas no Norte reconheceram o KPR, levando à divisão de longo prazo da Coréia. Os Estados Unidos avançaram com Syngman Rhee, um exilado coreano conservador, e instalaram-no como presidente da Coréia do Sul em 1948. Rhee tornou-se um ditador de uma cruzada anticomunista, prendendo e torturando suspeitos comunistas , esmagando brutalmente rebeliões, matando 100.000 pessoas e jurando conquistar a Coréia do Norte. Ele foi pelo menos parcialmente responsável pelo desencadear da Guerra da Coréia e pela decisão de invadir a Coréia do Norte, uma vez que a Coréia do Sul havia sido recapturada. Ele foi finalmente forçado a renunciar por protestos de estudantes em massa em 1960.

 

22. Laos

A CIA começou a fornecer apoio aéreo às forças francesas no Laos em 1950, e permaneceu envolvida lá por 25 anos. A CIA projetou pelo menos três golpes entre 1958 e 1960 para manter o crescente esquerdista Pathet Lao fora do governo. Trabalhou com os traficantes laosianos de direita como o general Phoumi Nosavan, transportando ópio entre a Birmânia, Laos e Vietnã e protegendo seu monopólio sobre o comércio de ópio no Laos. Em 1962, a CIA recrutou um exército mercenário clandestino de 30.000 veteranos de guerrilhas anteriores da Tailândia, Coréia, Vietnã e Filipinas para lutar contra o Pathet Lao. À medida que um grande número de americanos no Vietnã terminoi na heroína, a Air America da CIA transportou ópio do território Hmong na Planície de Jarros para os laboratórios de heroína do General Vang Pao em Long Tieng e Vientiane para embarque rumo ao Vietnã. Quando a CIA não conseguiu derrotar o Lao Pathet, os EUA bombardearam o Laos quase tão fortemente quanto o Camboja, com 2 milhões de toneladas de bombas.

23. Líbia

A guerra da Otan contra a Líbia simbolizou a mudança da abordagem do presidente Obama “disfarçada, silenciosa, sem mídia” à guerra. A campanha de bombardeio da OTAN foi justificada fraudulentamente ao Conselho de Segurança da ONU como um esforço para proteger os civis e o papel instrumental das forças especiais ocidentais e estrangeiras no terreno estava bem disfarçado, mesmo quando forças especiais do Qatar (incluindo ex-mercenários do ISI) lideraram o assalto final à sede do Bab Al-Aziziya em Trípoli. A OTAN realizou 7.700 ataques aéreos, 30.000 a 100.000 pessoas foram mortas, cidades pró-regime foram bombardeadas até virarem pó com limpeza etnica e o país está no caos enquanto as milícias islâmicas armadas pelo Ocidente se apoderam do território e instalações petrolíferas e disputam o poder. A milícia Misrata, treinada e armada por forças especiais ocidentais, é uma das mais violentas e poderosas. Enquanto escrevo isso, os manifestantes acabam de invadir o edifício do Congresso em Trípoli pela quarta ou quinta vez nos últimos meses, e dois representantes eleitos foram baleados e feridos enquanto fugiam.

24. México

O número de mortos nas guerras de drogas no México ultrapassou recentemente 100 mil. O mais violento dos cartéis de drogas é Los Zetas. Funcionários dos EUA chamam os Zetas de “o cartel de drogas tecnologicamente mais avançado, sofisticado e perigoso operando no México”. O cartel Zetas foi formado por forças de segurança mexicanas treinadas por forças especiais norte-americanas na Escola das Américas em Fort Benning, Geórgia, e em Fort Bragg, Carolina do Norte.

Los Zetas

 

25. Myanmar

Após a Revolução Chinesa, os generais do Kuomintang mudaram-se para o norte da Birmânia e tornaram-se poderosos narcotraficantes, com proteção militar tailandesa, financiamento de Taiwan e transporte aéreo e apoio logístico da CIA. A produção de ópio da Birmânia cresceu de 18 toneladas em 1958 para 600 toneladas em 1970. A CIA manteve essas forças como um baluarte contra a China comunista, mas transformou o “triângulo dourado” no maior produtor de ópio do mundo. A maior parte do ópio foi embarcado por trens para a Tailândia, onde outros aliados da CIA enviaram para laboratórios de heroína em Hong Kong e Malásia. O comércio mudou por volta de 1970, quando o sócio da CIA, General Vang Pao, criou novos laboratórios no Laos para fornecer heroína as tropas no Vietnã.

26. Nicarágua

Anastasio Somosa governou a Nicarágua como seu feudo pessoal por 43 anos com apoio incondicional dos EUA, enquanto sua Guarda Nacional cometia todo crime imaginável de massacres e torturas com extorsão e estupro sob total impunidade. Depois que ele foi finalmente derrubado pela Revolução Sandinista em 1979, a CIA recrutou, treinou e apoiou mercenários “contra” para invadir a Nicarágua e promover o terrorismo para desestabilizar o país. Em 1986, a Corte Internacional de Justiça julgou os Estados Unidos culpados de agressão contra a Nicarágua por implantar os contras e explorar os portos nicaragüenses. O tribunal ordenou aos Estados Unidos que cessassem a sua agressão e pagassem reparações de guerra à Nicarágua, mas nunca foram pagas. A resposta dos Estados Unidos foi declarar que não reconheceria mais a jurisdição vinculativa da CIJ, efetivamente definindo-se além da regra do direito internacional.

27. Paquistão; 28.Saudi Arabia; 29. Turquia

Depois de ler a minha coluna da AlterNet sobre a fracassada guerra ao terror, o ex-especialista em terrorismo da CIA e do Departamento de Estado, Larry Johnson, disse-me: “O principal problema no que diz respeito à avaliação da ameaça terrorista é definir com exatidão o patrocínio de Estados. Compare com 20 anos atrás, são o Paquistão, a Arábia Saudita e a Turquia. O Irã, apesar dos delírios de direita / neoconservador, não é ativo no incentivo e / ou facilitação do terrorismo”. Nos últimos 12 anos, a ajuda militar dos EUA ao Paquistão totalizou US $ 18,6 bilhões. Os EUA acabam de negociar o maior acordo de armas da história com a Arábia Saudita. E a Turquia é um membro de longa data da OTAN. Os três principais patrocinadores estaduais do terrorismo no mundo hoje são aliados dos EUA.

Erdogan, presidente turco, e Obama, presidente norte-americano

30. Panamá

Oficiais de fiscalização de drogas dos EUA queriam prender Manuel Noriega em 1971, quando ele era o chefe da inteligência militar no Panamá. Eles tinham provas suficientes para derrubá-lo por tráfico de drogas, mas ele também era um agente de longa data e informante da CIA, e assim como outros agentes da CIA traficantes de Marselha à Macau, ele era intocável. Ele foi temporariamente solto durante a administração Carter, mas de outra forma manteve coleta de pelo menos US $ 100.000 por ano a partir do Tesouro dos EUA. Ao se tornar o governante de fato do Panamá, tornou-se ainda mais valioso para a CIA, relatando reuniões com Fidel Castro e Daniel Ortega, da Nicarágua, e apoiando as guerras secretas dos EUA na América Central. Noriega provavelmente abandonou o narcotráfico em 1985, muito antes de os EUA o acusarem por isso em 1988. A acusação era um pretexto para a invasão dos EUA ao Panamá em 1989, cujo objetivo principal era dar aos EUA maior controle sobre o Panamá, às custas de pelo menos 2.000 vidas.

31. As Filipinas

Desde que os EUA lançaram sua chamada guerra contra o terrorismo em 2001, uma força-tarefa de 500 forças dos EUA JSOC realizou operações secretas no sul das Filipinas. Agora, sob o “giro à Ásia” de Obama, a ajuda militar dos EUA às Filipinas está aumentando, de US $ 12 milhões em 2011 para US $ 50 milhões este ano. Mas ativistas de direitos humanos de Filippino relatam que o aumento da ajuda coincide com o aumento das operações dos esquadrões da morte militares contra civis. Nos últimos três anos, pelo menos 158 pessoas foram mortas por esquadrões da morte.

32. Síria

Quando o presidente Obama aprovou os drones e os milicianos da Líbia para a base do “Exército Sírio Livre” na Turquia em aviões da OTAN não registrados no final de 2011, ele calculava que os EUA e seus aliados poderiam replicar o “bem sucedido” derrube do governo líbio. Todos os envolvidos compreenderam que a Síria seria um conflito mais longo e mais sangrento, mas apostaram que o resultado final seria o mesmo, embora 55% dos sírios disseram aos analistas que ainda apoiavam Assad. Alguns meses depois, os líderes ocidentais minaram o plano de paz de Kofi Annan com seu “Plano B”, “Amigos da Síria”. Este não era um plano de paz alternativo, mas um compromisso com a escalada, oferecendo apoio garantido, dinheiro e armas aos jihadistas na Síria para garantir que ignorassem o plano de paz de Annan e continuassem a lutar. Esse movimento selou o destino de milhões de sírios. Nos últimos dois anos, o Qatar gastou US $ 3 bilhões e voou em cargas de armas, a Arábia Saudita embarcou armas da Croácia e as forças especiais realistas ocidentais e árabes treinaram milhares de jihadistas fundamentalistas radicalizados, agora aliados da Al Qaeda. As negociações de Genebra II foram um meio esforço para reavivar o plano de paz de Annan de 2012, mas a insistência ocidental de que uma “transição política” significa a renúncia imediata de Assad revela que os líderes ocidentais ainda valorizam a mudança de regime mais do que a paz. Parafraseando Phyllis Bennis, os EUA e seus aliados ainda estão dispostos a lutar até o último sírio.

 

33. Uruguai

Os funcionários estrangeiros com os quais os EUA trabalharam incluem muitos que se beneficiaram de sua cooperação em crimes americanos em todo o mundo. Mas no Uruguai, em 1970, quando o chefe de polícia Alejandro Otero criticou americanos treinando seus oficiais na arte da tortura, ele foi rebaixado. O funcionário americano que se queixou foi Dan Mitrione, que trabalhou para o Escritório de Segurança Pública dos EUA, uma divisão da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional. As sessões de treinamento de Mitrione incluíam torturar pessoas sem teto até a morte com choques elétricos para ensinar a seus alunos o quão longe eles poderiam ir.

 

34. Iugoslávia

O bombardeamento aéreo da OTAN da Iugoslávia em 1999 foi um crime flagrante de agressão, em violação do artigo 2.4 da Carta das Nações Unidas. Quando o secretário britânico de Relações Exteriores, Robin Cook, disse à secretária de Estado Albright que o Reino Unido estava tendo “dificuldades com seus advogados” sobre o ataque planejado, ela disse que deveria “obter novos advogados”, de acordo com seu deputado James Rubin. A força terrestre da OTAN na agressão contra a Iugoslávia foi o Exército de Libertação do Kosovo (KLA), liderado por Hashim Thaci. Um relatório de 2010 do Conselho da Europa e um livro de Carla Del Ponte, antigo procurador do Tribunal Penal Internacional para a Iugoslávia, sustenta duradouras alegações de que, no momento da invasão da Otan, Thaci dirigia uma organização criminosa chamada Grupo Drenica Que enviou mais de 400 sérvios capturados à Albânia para serem mortos, para que seus órgãos pudessem ser extraídos e vendidos para transplante. Hashim Thaci é agora o primeiro-ministro do protetorado da OTAN no Kosovo.

35. Zaire

Patrice Lumumba, presidente do Mouvement National Congolais pan-africanista, participou da luta do Congo pela independência e se tornou o primeiro primeiro-ministro eleito do Congo em 1960. Ele foi deposto em um golpe apoiado pela CIA liderado por Joseph-Desire Mobutu, seu Chefe do Estado Maior do Exército. Mobutu entregou Lumumba aos separatistas belgas e aos mercenários que lutavam na província de Katanga, e foi baleado por um pelotão de fuzilamento liderado por um mercenário belga. Mobutu aboliu eleições e nomeou-se presidente em 1965, e governou como um ditador por 30 anos. Ele matou opositores políticos em enforcamentos públicos, torturou outros até a morte, e eventualmente desviou pelo menos US$ 5 bilhões, enquanto o Zaire, como ele renomeou, permaneceu um dos países mais pobres do mundo. Mas o apoio dos EUA a Mobutu continuou. Mesmo quando o presidente Carter se distanciou publicamente, o Zaire continuou a receber 50% de toda a ajuda militar americana à África subsaariana. Quando o Congresso votou para cortar a ajuda militar, Carter e os interesses empresariais dos EUA trabalharam para restaurá-la. Somente na década de 1990 o apoio dos EUA começou a vacilar, até que Mobutu foi deposto por Laurent Kabila em 1997 e morreu logo depois.

***

O Major Joe Blair foi o diretor de instrução na Escola das Américas (SOA) de 1986 a 1989. Ele descreveu o treinamento que ele supervisionou na SOA como o seguinte: “A doutrina que foi ensinada era que se você quiser informações você usa abuso físico, prisão falsa, ameaças a membros da família e assassinato. Se você não conseguir obter as informações que deseja, se você não consegue fazer com que essa pessoa cale-se ou pare o que está fazendo, você as mata – e você faz com um de seus esquadrões da morte. “

A resposta conservadora dos funcionários norte-americanos à exposição dos crimes sistemáticos que descrevi é que tais coisas podem ter ocorrido em certas ocasiões no passado, mas que elas não refletem de modo algum a política de longo prazo ou em curso nos EUA. A Escola das Américas foi transferida da Zona do Canal do Panamá para Fort Benning, na Geórgia, e substituída pelo Instituto do Hemisfério Ocidental para Cooperação de Segurança (WHINSEC) em 2001. Mas Joe Blair tem algo a dizer sobre isso também. “Não há mudanças substantivas além do nome. Ensinam os cursos idênticos que eu ensinei, mudam os nomes dos cursos e usam os mesmos manuais”, afirmou.

Uma enorme quantidade de sofrimento humano poderia ser aliviada e os problemas globais resolvidos se os Estados Unidos fizessem um compromisso genuíno com os direitos humanos e o Estado de Direito, ao invés de só aplicar cínica e oportunisticamente aos seus inimigos, nunca a si mesmo ou seus aliados.

Facebook Comments