6 razões porque Chomsky está errado sobre a Antifa:

originalmente publicado em libcom

 

Após a repercussão  de Charlottesville , os holofotes se viraram para a realidade da violência fascista na América. O assassinato de Heather Heyer é só o mais recente em um ano com várias outras mortes(como as duas em Portland em maio e a de Timothy Caughman na cidade de Nova York), em 2015 houve o assassinato  de nove fiéis da  igreja Denmark Vesey em Charleston  por Dylann Roof mostrando a continuidade da violência de extrema direita antes  da eleição de Donald Trump.

Apesar disso , muitos  comentaristas liberais também decidiram que agora é a hora de condenar quem se opõe aos fascistas.talvez a intervenção mais incomoda tenha sido a de Noam Chomsky, dada a importância da figura dele na nossa formação política. Mas onde Chomsky errou?

 

1)Antecessores da Antifa são mais significativos do que Chomsky acha que são

 

Chomsky descreve a Antifa como “um setor minúsculo da esquerda, assim como seus antecessores foram” com “alguma semelhança com o Weather Underground” enquanto nós  já vemos problemas na descrição de Chomsky da antifa atual,  a má interpretação de seus antecessores é outro problema.

 

Os antecessores da Antifa não tem quase nada em comum com o Weather Underground. Ao contrário, eles fizeram parte da mobilização em massa contra os camisas negras de Oswald Mosley em Cable Street, na zona leste de Londres, assim como nas mobilizações menos famosas em Manchester, Liverpool, Newcastle, Hulme e Stockton.

 

Eles eram do 43 Group e do 62 group, organizações judaicas que tomaram para si a tarefa de esmagar as tentativas de Mosley de se reorganizar após a Segunda Guerra mundial. Eles estavam nas mobilizações de massas  em Lewisham, no South end de Londres em 1977, no Southall Youth Movement que enfrentou skinheads nas ruas e na Anti-fascist Action que expulsava fascistas com uma certa frequência em todo o país do meio dos anos 1980 ao fim dos anos 1990.

 

Na Europa eles são os Red Warriors de Paris ou a Frente revolucionária da Suécia. Na América do Norte eles  são os sindicalistas que formaram a defesa contra  os Camisas Prateadas nos anos 1930 ou a Anti-Racist Action que  enfrentou os Klansmen e o National socialist Movement dos anos 1980 até bem recentemente.

Nenhum deles pode ou será rejeitado tão facilmente como Chomsky acha que são.

2) A Antifa é “uma dádiva para a direita, incluindo a direita militante que é exuberante”?

 

Quando a extrema direita foi esmagada pelos antifascistas ela não era exuberante.

.Quando os antifascistas em Liverpool limparam o chão em 2015 com a Marcha do homem branco, eles não eram exuberantes, eles foram completamente humilhados.

 

Quando a English Defence League foi expulsa de Walthamstow em 2012, ela não era exuberante, ele foi completamente  humilhada.

 

O 43 Group, o 62 Group e a Anti-fascist Action  desfizeram com sucesso o fascismo organizado nas ruas no Reino unido por décadas depois da Segunda Guerra mundial.

 

Em todos esses casos, derrotas físicas levaram a divisões  prolongadas na extrema-direita, recriminações mútuas , o mais importante, a demolição da imagem de brigão de rua invencível  que esses grupos procuram cultivar de si mesmos.

 

Claro que eles vão tentar inverter cada derrota com vitimização. Mas, eles só conseguem  isso quando alguma marcha sem oposição é uma demonstração de  força bem sucedida, especialmente se eles saírem caçando alvos depois, como fizeram no passado; ignorar fascistas até eles irem embora só funciona se você tem o privilégio de ser ignorado por eles também.

 

Uma derrota física não é uma dádiva para a direita militante; é uma das formas mais efetivas de mantê-los fracos.

3) Negar um palanque aos fascistas não é “errado por princípio”

 

Talvez o argumento mais perigoso de Chomsky seja que “o que (a antifa) faz é completamente  errado em princípio- como impedir discursos”

 

Não há nada errado em negar um palanque aos fascistas, sejam eles discursos, manifestações , encontros públicos ou debates. Fascistas usam seus palanques para construir força, e  assim que eles se tornarem fortes atacar seus oponentes.

 

Nós não estamos obrigados pelo dever a dar aos fascistas um lugar onde eles possam espalhar seu ódio. Em 2002 , o sindicato dos maquinistas, ASLEF, expulsou um membro que foi candidato nas eleições locais pelo partido de extrema direita BNP. Talvez Chomsky ache que isso seja errado, Talvez eles tivessem o dever de aceitar um membro que fosse semear divisões entre brancos e não-brancos? Talvez o ASLEF devia ter organizado um debate público para ouvi-lo?

 

Fascistas amam quando os liberais  oferecem um palanque para eles. Isso os ajuda a espalhar sua mensagem para que eles consigam a quantidade e a confiança para esmagar seus oponentes- inclusive os liberais.

 

Esse palanque- seja nas ruas da cidade ou nos salões de debate- não deve ser oferecido.

 

4) enfrentamentos de rua nem sempre são vencidos pelo “mais forte e mais brutal”…

 

Chomsky argumenta que “quando o enfrentamento vai para a arena da violência, o mais forte e o mais brutal que vencem- e nós sabemos quem eles são”. Em Liverpool os fascistas correram para se esconderem em um bagageiro vazio de uma estação de  trem depois de estarem na desvantagem de 10 para 1. Em Brighton, as marchas fascistas se tornaram impossíveis sem uma grande escolta policial graças à oposição local massiva.

 

Em última instância, a força mais poderosa na sociedade é a classe operária. Nós sempre podemos vencer quando nós a tornamos mais forte.

Anarquistas armados na Síria

5)… e a extrema direita nem sempre é “ a mais forte e mais brutal”, enfim.

 

Esse é um tipo de conto de fadas da extrema-direita: o de que eles têm o monopólio do uso da violência. A experiência Britânica do pós guerra é que a Extrema-direita, apesar de toda a empáfia, não é tão boa na rua como ela acha que seja. Do 43 Group ao 62 Group e a AFA, a Extrema-direita frequentemente tomou uma surra nas ruas.

É importante que tenhamos foco no trabalho de   base, em criar movimentos operários antirracistas em vez de  esquadrões de elite ou forças especiais antifascistas, isso também é importante para perpetuar os mitos da extrema direita sobre si mesma, olhem pra esse imbecil, pra começar:

6)Oposição física ao fascismo não nega uma “militância construtiva”.

 

O argumento de Chomsky de que um dos custos da confrontação física com os fascistas é a “perda de oportunidade para educação, organização, e militância séria e construtiva”  isso é um falso problema. Além disso, é um argumento que mostra a falta de contato com os antifascistas da vida real.

Na verdade, os antifascistas frequentemente estão envolvidos em atividade além do ‘antifascismo’ ainda que seja solidariedade a imigrantes, organização sindical, contra a violência policial ou qualquer outra que seja. Eles organizam mostras de filmes, shows e torneios de futebol. O fato  que Chomsky esqueceu isso diz mais  sobre ele que sobre os antifascistas.

 

Se as pessoas estão preparadas para por suas vidas e segurança em questão para resistir ao fascismo é uma escolha que deve ser celebrada. Autodefesa comunitária pode criar espaço para que outras formas de organização ocorram,

Enquanto fascistas sem oposição alegremente invadem e perturbam encontros e organizações de esquerda.

 

Um grande contingente das mobilizações antifascistas nos EUA estava associado com a IWW, um sindicato radical que dá uma enorme importância ao trabalho de base e organização. Você pode se organizar no trabalho de segunda a sexta e se opor a fascistas quando eles aparecerem de vez em quando na sua cidade no sábado, não é assim uma grande “perda de oportunidade”.

 

Por fim, é importante lembrar que “antifascismo’ nunca será o bastante para derrotar o fascismo; de fato, não existe derrota do fascismo sem a derrota do capitalismo. Isso significa que  construir uma cultura política de massas da classe operária que seja uma alternativa tanto à extrema direita quanto à política liberal do “de sempre”: organizações vibrantes nos locais de trabalho tanto dentro, quanto fora dos sindicatos tradicionais, grupos comunitários lutando por moradia, contra a violência policial, oferecendo recursos para sobreviventes de violência doméstica, apoio aos imigrantes e tudo mais provavelmente cabem aqui.

 

Nós não devemos pensar na Antifa como um fim em si mesmo. Mas nós também não precisamos que um dos intelectuais mais proeminentes da esquerda os jogue no buraco também.

Facebook Comments

Kaique Pimentel

cozinheiro, propagandista, rabisca uns textos de vez em quando....