Administrando a desordem

Por Jerome Roos, originalmente publicado na Roar Magazine
Nós vivemos em um mundo de cabeça pra  baixo. Como um meme muito compartilhado recentemente diz” tudo o que temíamos sobre o comunismo -que nós fôssemos perder nossas casas e economias e ser forçados a trabalhar por salários precários sem voz no sistema- se tornou verdade no capitalismo”.  Longe de  levar a uma maior liberdade econômica e política, como os discípulos e a intelligentsia sempre disseram que seria, o  triunfo final do projeto neoliberal andou de mãos dadas com uma expansão da vigilância do estado e do controle.  Atualmente  mais pessoas estão sob condicional nos Estados Unidos que estiveram nos Gulags durante o  ápice do terror stalinista. Os servidores da NSA podem capturar um milhão de vezes mais dados que a Stasi poderia. Quando o muro de Berlim caiu em 1989, haviam 15 muros de fronteira em todo o mundo. Hoje existem 70. Em vários aspectos, o futuro distópico dos romances e filmes.

 

Em seu pacto faustiano para reestruturar sociedades inteiras com as prerrogativas do lucro privado e crescimento econômico sem fim , o neoliberalismo sempre colocou a mão de ferro do estado firmemente junto da mão invisível do mercado. No início da Crise financeira, entretanto,  essa cooperação entre interesses privados e a autoridade estatal se radicalizou. Giorgio Agamben  escreveu estávamos testemunhando “ a convergência paradoxal de um paradigma absolutamente liberal na economia com um  paradigma igualmente sem precedentes  de estado e controle policial.” traçando as origens desse paradigma de volta ao surgimento da polícia e da obsessão burguesa com segurança na Paris pré-revolucionária, Agamben nota que “o passo extremo só foi tomado nos nossos dias, e ainda está em processo de realização completa.”

 

Os ataques terroristas de 11 de setembro e  a grande explosão da recessão cumpriram um papel importante na catalização desses desenvolvimentos, acelerando a progressiva desdemocratização do estado e  lançando a natureza fundamentalmente coercitiva do neoliberalismo  em sua situação atual. O resultado, para Agamben, foi o crescimento de uma nova configuração política com uma lógica fechada em si:

 

“O estado no qual nós vivemos hoje não é mais um estado disciplinar. Gilles Deleuze propos chamá-lo de État de contrôle, ou estado de controle, por que  o que ele quer não é ordem  ou impor disciplina , ao contrário, ele quer gerenciar e controlar. A definição de Deleuze é correta por que gerencia e controles não coincidem necessariamente com ordem e disciplina. Ninguém demonstrou isso mais claramente que o oficial Italiano de polícia, que depois do levante de Gênova em 2001, declarou que o governo  não queria que a polícia mantivesse a ordem e sim que Administrasse a desordem.”

 

A administração da desordem- se tornou o paradigma dominante de governo sob o neoliberalismo. Em vez de confrontar diretamente as as causas estruturais da instabilidade política, da catástrofe ecológica e  dos males sociais endêmicos, o estado de controle considera “mais seguro e mais proveitoso tentar governar os efeitos.”então, em vez de combater a obscena desigualdade de renda e poder no coração do capitalismo financeirizado, ele  recorre cada vez mais ao policiamento do precariado. Em vez de derrubar a exclusão social e a marginalização econômica dos grupos minoritários historicamente oprimidos,há muito decidiram assediá-los, assassiná-los e encarcerá-los. Em vez de  acabar com a pobreza e a guerra,  agora comprometem-se a erigir novas paredes e cercar para manter os migrantes e refugiados  indesejados para fora. Em resumo, em vez de tentar dar resposta aos conflitos e crises  multifacetados que a humanidade enfrenta nas raízes, o estado de controle está contente em só administrá-los.

 

Se há uma imagem que pode ser usada para definir o paradigma do controle, é a falange do batalhão de choque- armada com rifles de assalto e flanqueada por veículos blindados- brigando contra populações locais em geral desarmadas em lugares como o Rio de Janeiro, Diyarbakir e Standing Rock. da aparência dos oficiais às armas e táticas utilizadas nas ruas, essas imagens claramente mostram como os espaços internos de segregação do mundo progressivamente começaram a parecer uma zona de guerra ocupada. Claro que a semelhança não é coincidência: não é a apenas  ação policial que recebe as sobras do material do complexo industrial-militar, incluindo armas e veículos que seriam usados nas verdadeiras zonas de guerra, mas também foram aplicados métodos militares de contra-insurgência para policiar protestos e o espaço urbano em geral. De fato, dois dos quatro esquadrões do choque mobilizados para Ferguson em 2014 receberam treinamento de controle de multidão da polícia israelense, que aprimoraram suas habilidades nos territórios ocupados da Palestina. Sob o neoliberalismo, resumindo, os métodos de ocupação militar  no estrangeiro e de policiamento em casa estão progressivamente se fundindo em um só.

 

O mesmo tipo de fusão acontece no limite  entre interesses privados e autoridades públicas, ou entre poder corporativo e estatal.  Assim como as exigências de Wall Street se fundirem às prioridades do US Federal Reserve e do Departamento do  Tesouro dos EUA, assim como os interesses dos fabricantes de armas que continuam a alimentar as decisões políticas feitas na CAsa Branca e no Pentágono, assim como a capacidade de data mining e de controle algorítmico do Vale do Silício está se integrando rapidamente com o aparato de segurança e inteligência dos EUA. enquanto isso, os exércitos ocidentais progressivamente passaram a contar com empreiteiros militares privados para fazerem apoio em combate e até tomar papéis ativos no combate,  assim como o pessoal da segurança privada está assumindo o papel de polícia, com o primeiro superando globalmente  o segundo na proporção de dois para um . em outras palavras,  enquanto o estado neoliberal expandindo dramaticamente seu controle sobre  populações  cada vez mais inquietas dentro e fora do país, companhias bem conectadas estão se inserindo com sucesso no negócio de “administrar a desordem” para lucro privado.

 

Tudo isso se completa pelo desenvolvimento de novas e poderosas  tecnologias- dos smartphones nos nossos bolsos aos drones sobre as nossas cabeças- que permitem uma invasão sem precedentes executada pelo poder público-privado em todas as esquinas do mundo em em todos os aspectos das nossas vidas. Nunca houve antes uma monte de companhias privadas e agências estatais com um acesso tão ilimitado às comunicações da localização de tantos cidadãos insuspeitos. E nunca antes um presidente dos EUA teve tanto controle sobre uma máquina de matar por controle remoto sofisticada e versátil para suas campanhas de assassinatos extrajudiciais. Agora com um oligarca autoritário e racista se mudando para  a Casa branca, e demagogos de direita aguardando nos bastidores pela Europa e em boa parte do resto do mundo, a questão que  inevitavelmente nos  ocorre é como nos defenderemos do controle de controle onisciente que consome tudo, com sua gana  de expansão contínua e seu completo desinteresse pelos direitos humanos e liberdades políticas mais básicos.

Facebook Comments

Kaique Pimentel

cozinheiro, propagandista, rabisca uns textos de vez em quando....