BOLSONARO, TRUMP E O FASCISMO DE MERCADO

 

Artigo de opinião por: João Barreto Leite

O Brasil dá início ao período eleitoral e se depara com um fenômeno muito recente que vem acontecendo em outras democracias ao redor do mundo, o enfraquecimento da influência de uma mídia tradicional, antes muito potente e monopolista, dando espaço para a internet. Os candidatos da mídia tradicional sofreram esse impacto, percebendo os meios de comunicação que antes sustentavam toda uma forma política de hierarquia partidária se reorganizar, a forma de fazer política no país mudou muito desde a última eleição presidencial.

Nessa mudança, os candidatos ficam indefinidos para a mídia tradicional, que mesmo estando constantemente interagindo com a política das mais diversas formas, não tem mais o vigor que tinha nos tempos em que a televisão era mais forte, na época em que as emissoras e os jornais impressos eram praticamente hegemonia. Independente dos meios que os candidatos usam para conseguir sucesso em um mundo onde a cultura é ditada pela internet, os políticos da mídia tradicional se enfraqueceram e vivem em uma disputa que também é midiática.

Dois exemplos claros dessa forma de insurgência política são Trump e Bolsonaro. Cada um com suas peculiaridades, são pessoas muito diferentes que se encontram em várias opiniões como o machismo, a xenofobia e a homofobia. A grande maior entre os dois é a forma de insurgência política via internet.

Não pensem que Jair Bolsonaro como presidente seria como Donald Trump é para os EUA. Dá para entender os motivos que levam um norte-americano a defender o Trump, mas esses motivos não podem ser vistos pelos brasileiros no Bolsonaro.

Vejo que a candidatura do Bolsonaro é até um processo bem análogo ao que aconteceu com Trump. Um candidato conservador com simpatias racistas que se camufla em alegações rasas sobre patriotismo, bombardeado pela mídia, e que conseguiu crescer de uma forma muito estranha e sintética pela internet, fora da mídia tradicional.

No entanto, Bolsonaro não conseguiria ser protecionista da mesma forma que Trump consegue nos EUA, ao tentar barrar a economia chinesa por exemplo. O resultado de uma eventual vitória de Jair Bolsonaro seria uma agenda de venda de setores estratégicos do Estado Brasileiro e uma repressão sem precedentes a qualquer um que entenda esse fascismo de mercado e a polícia trabalhando cada vez mais treinada para a repressão de movimentos políticos contrários ao governo. 

Um dos setores estratégicos, além de muitos outros que aqui poderiam ser colocados em pauta, é a educação. As escolas e faculdades públicas entram em grande risco quando falamos de um candidato a presidência como Jair Bolsonaro, ainda mais quando o processo de privatização e enriquecimento do setor privado da educação de várias formas acontecendo no país. E a educação é apenas uma das áreas em que uma privatização poderia ser implantada de forma mais drástica e violenta, de forma perceptível para a população. O estado mínimo se tornaria o braço armado do capital de uma forma mais evidente, nesse ponto já dá para perceber o quanto a retórica do patriota é falsa.

No fim das contas Bolsonaro é o oposto de patriota, defendendo o oposto de uma soberania nacional consolidada, mas nesse sentido ele não se parece com Trump. Na verdade, Bolsonaro cairia como uma luva para o plano norte-americano e seria apenas uma mão na roda da agenda entreguista do estado brasileiro.

Facebook Comments

BarretoLeiteJ

Rise Above. We're gonna rise above. We are tired of your abuse. Try to stop us it's no use. -- Práxis TV - Divulgação de Filosofia facebook.com/PraxisTV youtube.com/c/PraxisTV