My Lai, agressão sexual e a garota de blusa preta: quarenta e cinco anos depois, uma das fotos mais icónicas da América esconde a verdade em uma visão simples

Originalmente publicado no readingthepictures.org

Olhando para a guerra do Vietnã e as fotografias icônicas que marcam essa época, como é que o público americano conhece a “Napalm Girl”¹, mas ninguém sabe ou fala da “garota de blusa preta” de My Lai ? E o que isso significa, quarenta e cinco anos depois, apesar de sua experiência ter sido divulgada por relatórios de investigação e testemunho do Congresso, por quê o que aconteceu com ela – refletido nesta famosa foto – permanece escondido à vista?

O Massacre My Lai capturou a consciência pública em grande parte em 1969 devido ao lançamento da exposição de fotos do fotógrafo do exército Ronald Haeberle. Desde o lançamento, os espectadores foram cativados pela emoção visceral expressada no rosto da mulher em primeiro plano da foto abaixo (publicada em 1969 pela revista Life ). De acordo com o subtítulo da fotografia da Life, esses aldeões estavam “acorrentados” ao pânico momentos antes de serem mortos pelas tropas americanas em My Lai “.

Embora o massacre de My Lai seja amplamente reconhecido como uma atrocidade militar e um ato de assassinato em massa de civis e não-combatentes, a verdadeira apreciação do evento como um ato de estupro em massa e abuso sexual nunca se materializou claramente na consciência americana, apesar de dados públicos e testemunhos pouco depois do massacre ter acontecido. A apresentação da fotografia da “Black Blouse Girl” reflete essa amnésia.

Ao ler a imagem de perto, você pode ver que o adolescente no fundo  está abotoando sua blusa. É uma ação curiosa. Por que ela estaria preocupada com um botão enquanto as outras pessoas na fotografia estavam aterrorizadas com a morte? Por que o botão foi desfeito para começar?

Testemunho do inquérito Peers² de 1969-1979 resolve o mistério do botão: a imagem realmente captura essas mulheres e crianças nos momentos entre uma agressão sexual e um assassinato em massa. Em seu testemunho de indagação, Haeberle explica que um grupo de soldados estava tentando “ver como ela era”, e que “começaram a despi-la, tirando a blusa”. O testemunho adicional da investigação confirma isso.

De acordo com o testemunho de Jay Roberts, o jornalista do exército que acompanhara Haeberle naquele dia, os soldados estavam chamando a adolescente de “V.C. Boom Boom “- o termo coloquial para uma prostituta Vietcong durante o Vietnã. Continuando, Roberts revelou que a mulher mais velha parece tão angustiada porque estava tentando proteger a menina de ser atacada pelos soldados. Roberts afirmou que a mulher mais velha, que ele presumiu ser a mãe da menina, estava “mordendo, chutando, arranhando e lutando” com o grupo de soldados. A emoção do rosto da mulher mais velha em primeiro plano não é de terror passivo.

Uma vez que os soldados notaram o fotógrafo e o jornalista, eles cessaram o ataque. Haeberle lembrou depois que, depois de se afastar, “eu ouvi uma M-60 [metralhadora] disparar e quando nos viramos, todas as [mulheres] e as crianças com eles estavam mortas“.

O artigo da Revista Life de 1969 confirma o testemunho de Haberle e Roberts, mas o artigo minimiza a violência sexual refletida na fotografia, subtitulando-a na primeira página com referência apenas ao assassinato. Os detalhes de agressão sexual e estupro só aparecem na segunda para a última página do artigo que acompanha, seis páginas completas longe da fotografia.

O artigo afirma que Haeberle e Roberts “assistiram enquanto as tropas abordavam um grupo de mulheres, incluindo uma menina adolescente” . O artigo observa que um soldado começou a despir a garota,  outro estava dizendo a ela que “ela era uma prostituta para o Vietcong”, e que um terceiro dizia: “Estou excitado”. A descrição também fornece contexto para o comportamento da mulher mais velha em primeiro plano, relatando que ela tentou ajudar a garota “arranhando os soldados”.

A cobertura de notícias do massacre e as fotografias de Haeberle durante a era da Guerra do Vietnã incluíram referência ao ataque sexual. Com base em entrevistas com Jay Roberts, Seymour Hersh descreveu os detalhes do ataque em 1972, observando que os soldados tinham marcado a garota da blusa preta, “começou a puxar a blusa” e “tentou acariciar seus peitos”. Ele descreve a presumida mãe como “lutando contra dois ou três caras de uma vez” para tentar proteger a garota.

Para entender o porque a foto tornou-se generalizada, é preciso entender como o papel do estupro e da violência sexual em My Lai foi minimizado e observado apenas no geral e o significado desaparecendo com os anos.

O que aconteceu com a Black Blouse Girl não foi o único incidente de violência sexual que aconteceu no My Lai. Em sua visão histórica do massacre, James Olson e Randy Roberts compilaram informações sobre violência sexual do inquérito Peers para produzir uma lista de 20 atos de estupro com base em testemunhos oculares. As vítimas documentadas nesta lista variaram de 10 a 45 anos. Destas mulheres e meninas, nove tinham menos de dezoito anos. Muitos desses ataques eram estupros coletivos e muitos envolvendo tortura sexual. Esta lista sequer inclui tentativas de estupros, como o ataque da menina de blusa preta, e dado que a maioria das testemunhas foram mortas durante o massacre, só podemos adivinhar quantas outras mulheres e meninas experimentaram violência sexual nos minutos finais antes de suas mortes.

Apesar da prevalência de violência sexual e ampla documentação, nenhum desses estupros foi investigado, de acordo com Susan Brownmiller, que escreveu sobre história de leis de estupro e estupro na cultura dos EUA. Talvez o fracasso em processar seja uma das razões pelas quais a mídia tradicional tem minimizado ou omitido agressões sexuais em My Lai, mencionando isso apenas de passagem ou não.

Os dois proeminentes documentários do PBS sobre o massacre, o episódio 1989 de Frontline, “Remember My Lai” e o episódio da American Experience de 2010 “My Lai“, não fazem a conexão (embora uma mulher vietnamita no episódio Frontline mencione estupro). Ambos os documentários incluem entrevistas extensivas com Haeberle falando sobre a fotografia. No entanto, ele nunca menciona o ataque sexual. Ele simplesmente descreve os soldados reunindo as mulheres e as crianças juntas e seu posterior assassinato. Isso apesar do fato de a PBS ter acesso ao relatório final inquérito Peers.

Mais especificamente, não há uma instância em que a foto foi legendada para refletir o ataque e, além do artigo LIFE original, não houve uma instância em que a foto tenha sido apresentada e explicada para incluir a agressão sexual. O Cleveland Plain Dealer, na primeira publicação da foto, omitiu qualquer referência a ele [ataque]. O episódio da experiência americana de 2010 o negligenciou em sua apresentação de slides na web. A página da Wikipedia sobre o My Lai Massacre ignora o fato na legenda da foto. E mesmo o título para a foto no Museu My Lai no Vietnã não consegue abordá-lo:
O último momento de vida das mulheres e crianças da aldeia sob uma árvore de algodão de seda antes de ser assassinado pelos soldados dos EUA.”

Bag Caption: Aqui está a foto tal como aparece na galeria que acompanha o documentário “American Experience” 2010, “My Lai”.

A mídia dos EUA continuou a fazer referência à foto genericamente até o aniversário de quarenta e cinco anos do massacre em março deste ano. Na verdade, a LIFE.com apresentou a foto de forma proeminente novamente nesta primavera como parte de uma característica de aniversário. A legenda?

Os aldeões vietnamitas, incluindo as crianças, se amontoam em momentos de terror antes de serem mortos por tropas americanas em My Lai, Vietnã, 16 de março de 1968.”

Dada a sequência conhecida de eventos que cercam a imagem, o que a foto parece mostrar (com a exceção, aparentemente, da jovem da lateral esquerda), as aldeãs estão traumatizadas, mas parecem diminuir ligeiramente da agressão imediata do ataque e da luta entre a mulher mais velha e os soldados.

Uma mulher está segurando a mulher mais velha por trás, mas ela está menos contendo do que ela está segurando, protegendo e talvez tentando confortá-la. Observe que as mãos dela não são apertadas, mas folgadas. No fundo, alguém (parece um homem, se é isso, de fato, um calvo) é tocando, talvez acariciando e tentando consolar a jovem garota. O fato de ele olhar para ela também sugere que a tensão diminuiu por um instante. Quanto à mulher mais velha, seus olhos aparentemente ainda irritados, ela parece mais cheia de angústia do que raiva agora, seus braços se retraíram em seu corpo e sua atenção, juntamente com vários outros, dirigida para a nossa esquerda, como se estivesse tentando reorientar sua atenção. E, claro, há a garota de blusa preta, atrás e protegida pelos outros de qualquer coisa que esteja acontecendo à nossa esquerda, abotoando a blusa de volta. Então, perguntamos novamente: o que devemos fazer com o apagamento informacional em torno desse artefato icônico da história dos EUA, que indica violência sexual à luz do dia? E por que é que a maioria dos americanos reconhece facilmente a “Napalm Girl”, mas não a “Black Blouse Girl“?

– Valerie Wieskamp

Fonte: http://www.readingthepictures.org/2013/10/my-lai-sexual-assault-and-the-black-blouse-girl-forty-five-years-later-one-of-americas-most-iconic-photos-hides-truth-in-plain-sight/

1- Kim Puch, a garota de Napalm, ficou mundialmente conhecida como simbolo vivo do horror da guerra no Vietnã após se fotografada correndo nua com o corpo queimado, aos prantos, após ser vitima de um ataque com agente napalm (gel pegajoso e incendiário) em 1972 no Vietnã do Sul.

2- Inquerito Peers foi como ficou conhecido o relatório da revisão do departamento do exercito das ações preliminares sobre o incidente de My Lai.

Facebook Comments

Naedard

Anarcofeminista