Por que metade das crianças do mundo vão para a cama com fome?

  • Aileen O’Carroll

É difícil saber como alguém pode considerar o capitalismo um sistema viável quando se olha a situação dos países menos desenvolvidos. Após os milhões criados pela Live Aid, parece irreal que as pessoas estejam com fome. Um recente relatório da ONU estima que 30 milhões de pessoas enfrentam fome. No entanto, as redes de carne bovina, de manteiga e de vinho da CE estão apodrecidas em armazéns europeus, os agricultores estão arando as culturas de volta à terra, nos campos de trigo do milho dos EUA são queimados.

Há um pouco de um mito moderno de que os problemas da África são a culpa (sobre a população, as guerras) ou além do controle de qualquer pessoa (seca, desertificação). Embora seja verdade, estes são fatores contributivos, muitos outros países lidam com esses mesmos problemas sem a enorme perda de vida sofrida pela África (por exemplo, a China, até a Inglaterra atravessou a guerra e a seca).

Os motivos citados pela ONU pelas mortes dessas pessoas são os seguintes: falta de recursos da comunidade internacional, mal planejamento e queda de preços nos mercados de commodities (especialmente para cacau e café). As empresas que vendem para a África apertaram os termos de crédito, enquanto os níveis da dívida externa continuaram a aumentar.

Cacau e café

Quando a África foi colonizada pela primeira vez, a terra foi transferida da produção de alimentos para alimentar a população local para a produção de “culturas comerciais”, como cacau, chá, café e açúcar. Essas culturas foram exportadas para países colonizadores a preços baixos. De forma similar, o milho cresceu na Irlanda durante a fome de 1845. Hoje, o café e o cacau ainda são uma importante exportação de 15 países africanos, pois eles precisam do dinheiro fornecido para acompanhar os reembolsos da dívida. Os preços do cacau caíram para o nível mais baixo em 15 anos, enquanto o café está em nível baixo de similaridade.

DÍVIDA

No início da década de 1970, muitos governos africanos tomaram emprestado uma grande quantidade de dinheiro. Cerca de 40% da dívida é devida diretamente a outros governos. Em quase todos os casos, esse dinheiro foi emprestado com a condição de ser usado para comprar armas do país doador ou que subsídio seja concedido a multinacionais com base no país doador. Desta forma, o terceiro país mundial é obrigado a pagar duas vezes. 25% da dívida é devida ao FMI e ao Banco Mundial. Hoje, a dívida da África é estimada em 270 bilhões de dólares. Os reembolsos consomem 30 por cento dos ganhos de exportação.

NAÇÕES UNIDAS

É óbvio que os governos dos EUA, China e Europa não estão realmente interessados ​​em combater a crise e estes são os governos que dirigem a ONU. O último programa de ajuda implementado pelas Nações Unidas (de acordo com seu próprio relatório) em 1986 teve pouco sucesso. Este foi o plano que a ONU prometeu reviver as economias de África. Em vez disso, em suas próprias palavras: “No final de 1990, tornou-se evidente que a crise africana realmente se aprofundou … a média africana continuou a se tornar mais pobre e sofreu uma queda persistente em um padrão de vida já escasso”. Agora, cinco anos depois, eles acrescentam que mesmo se o seu último plano fosse totalmente implementado (eles chamam de ambicioso), o rendimento médio per capita na África subsaariana atingiria apenas US $ 700 por ano em 25 anos.

O FUTURO

Portanto, não parece que a situação mudará fundamentalmente. Mas então, por que os governos ocidentais querem que as coisas sejam diferentes? A África fornece aos patrões mercados para os bens excedentes que produzimos, bem como mão de obra barata e matérias-primas. A Live Aid mostrou que os trabalhadores do Ocidente não estão dispostos a deixar a África morrer de fome (como alguns dos Verdes argumentariam), mas também mostrou que, enquanto os meios de produção e todos os lucros resultantes estão nas mãos dos chefes, as tentativas individuais de resolver os problemas farão pouco mais do que fazer um dano no problema. O tipo de desenvolvimento maciço que a África necessita só será produzido quando os recursos deste mundo forem distribuídos de acordo com a necessidade e não de acordo com o lucro.

 

Facebook Comments

Larissa Naedard

Anarcofeminismo, especifismo e axé.