Ramón Gonzaléz: um campeão sandinista?

Originalmente publicado em The Good Fight, Em 2 de setembro de 2016

 

Estou em bar de esportes com  algumas qualidades redentoras na pista de Granville  em Vancouver, bebendo uma caneca de Guinness e me preparando para o que promete ser uma grande noite de boxe(na televisão). Quando Ramon”chocolatito” Gonzalez entra na arena, junto com a bandeira azul e branca da Nicarágua sua equipe hasteou a bandeira rubro-negra da Frente Sandinista de Libertacão Nacional ou FSLN. essas são as cores da revolução nicaraguense de 1979 e também as cores tradicionais do anarcossindicalismo. A bandeira é uma versão modificada daquela criada pelo Herói revolucionário nicaraguense Augusto César Sandino nos anos de 1930, que refletia seu histórico no movimento anarquista mexicano. Enquanto Gonzalez entra no ringue, ele carrega o mesmo símbolo em seu roupão junto com o logo de seus patrocinadores corporativos. Depois de mais uma vitória- atualmente ele está invicto em suas 45 lutas profissionais- ele usa  uma camiseta estampada com as palavras  cristiana, socialista,solidária (cristã, socialista , solidária) quando ele retorna a sua Nicarágua nativa, ele será recebido no aeroporto por membros da Juventud Sandinista(juventude sandinista). Claramente, esse não é seu boxeador típico.

 

A bandeira rubro-negra sob a qual Gonzalez luta só aumenta o enigma sobre o homem atualmente listado como o melhor lutador de boxe do mundo; ele é atualmente é campeão do WBC, campeão de pontos e lutas como peso mosca  e campeão mundial em três categorias de peso. Com um registro de 45-0, trinta e oito dessas vitoŕias por nocaute.

Sua ligação com a FSLN é algo que ele compartilha com seu falecido mentor, a lenda do boxe nicaraguense Alexis Argüello. Arguello foi um  combatente Contra, antes de se arrepender de seu envolvimento na contra revolução financiada pelos EUA, e  se envolver profundamente na FSLN. Argüello foi eleito vice-prefeito de Manágua e pela FSLN em 2004, e depois como prefeito em 2008. Seu irmão Eduardo foi um revolucionário sandinista original, morto em batalha nos anos 1970.

 

entretanto a FSLN hoje não é mais o que já foi. Hoje , seu líder e presidente da Nicarágua desde 2007, Daniel Ortega, foi denunciado várias vezes como corrupto e oportunista, e o partido foi acusado de perder contato com os valores da revolução de 1979.por outro lado, Ortega ainda é muito popular entre os pobres da Nicarágua, e a Juventude Sandinista ainda é um meio para os ideais militantes e revolucionárias.

 

.

A pergunta é :no estado atual da FSLN,  o que  nós devemos fazer com o  fato de Gonzalez lutar sob a bandeira rubro-negra? Será que nó temos aqui um campeão sandinista, que representa os ideais da revolução de 1979? Ou só uma expressão do clientelismo centro-americano? Certamente a mídia de direita vai dizer que González está sendo “manipulado” por Daniel Ortega, e que  se juntou a uma longa tradição nicaraguense de políticos que compram o apoio de atletas proeminentes.

Em suas entrevistas, Gonzalez, um cristão devoto, fala mais de Deus que do socialismo, mas ele também elogia o governo da FSLN pelos seus esforços para  melhorar a situação dos pobres da Nicarágua, que foram punidos sob a mão dos  governos neoliberais apoiados pelos EUA que governaram o país entre 1990 e 2006. Além disso, seu apoio à FSLN vai além da roupa que ele veste quando está sob os holofotes da mídia. Ano passado ele usou sua conta no twitter para celebrar o trigésimo sexto aniversário da revolução de 1979, twittando”estamos prontos para celebrar as vitórias… nós continuaremos;” e também encabeçou manifestações pró-FSLN na capital. Para muitas pessoas fora da América Latina, a conexão entre cristianismo e política revolucionária de esquerda parece contraditória. Mas esse é o lugar do nascimento da teologia da libertação e em nenhum lugar além da revolução sandinista católicos progressistas e militantes marxistas encontraram mais  denominadores comuns.

Além do que iremos fazer com a  posição pró-FSLN de González, não questionamento que junto com o fato dele ser um lutador fenomenalmente talentoso, ele é um cavalheiro e um modelo a seguir. Sua humildade e positividade são um suspiro de ar fresco em um esporte prejudicado pelo desdém e materialismo crasso.Gonzalez, que nasceu no subúrbio pobre de La Esperanza em Manágua, se recusa  a esquecer de onde veio, e continua humilde, apesar de seu incrível sucesso. Em suas entrevistas, ele reforça a importância de uma vida moral e disciplinada e fala como representante dos pobres da Nicarágua

Facebook Comments

Kaique Pimentel

cozinheiro, propagandista, rabisca uns textos de vez em quando....