Uma luta contra o desespero: entrevista nas prisões da Carolina do Sul [Parte II]

Segunda parte da entrevista “Uma luta contra o desespero: entrevista nas prisões da Carolina do Sul”. Para ler a primeira parte clique aqui.

Números da Morte: “permitido morrer”

Jared: Eu ouvi algumas reportagens sobre o quão altos estão os números de mortes da Carolina do Sul nos últimos dois anos, mas eu também ouvi de alguns prisioneiros que eles acreditam que os números de mortes são realmente muito maiores do que o que está sendo relatado. Por exemplo, eu tive um prisioneiro me dizendo que, embora o SCDC esteja oficialmente declarando o número de mortos na adolescência no último ano, e esses números são muito altos com base nas médias nacionais, que [na realidade] os números são realmente mais altos, mas eles acreditam o SCDC está relatando apenas certos tipos de mortes.

S: Sim, eles estão apenas relatando certos tipos de mortes, não incluindo algumas mortes que eles mesmos causaram. E só para dar um exemplo, eles têm uma cela na área que chamam de RHU (Unidade Habitacional Restritiva), que supostamente é a área onde as pessoas se metem em problemas ou o que quer que seja. E eles têm uma cela que é chamado de célula de CI (Intervenção de Crise). É aí que eles tiram suas roupas, fazem você ficar nua sem roupas, sem nada, e quando eles te trazem alguma coisa, eles só te trazem um cobertor pra se matar.

Então você tem um cara anos atrás, que ele disse que ia se matar, então eles o colocaram no CI, então o cara disse a um dos Tenentes mais tarde naquela noite que ele era legal. O tenente deu ao homem um lençol e depois disseram que o homem se enforcou. Isso é o que eles disseram. Mas por política e por regra, ninguém deve ter [qualquer] lençol em [qualquer] cela de IC e todo mundo sabe disso, especialmente o Tenente, que é um supervisor. Então é culpa deles. Ele era um doente mental. Isso é sobre eles. Então, é claro, você sabe quando eles escrevem, ou eles dão as informações para o público ou para a família dele, eles não estão dizendo isso para as pessoas.

D: Absolutamente. Eu gostaria de adicionar isso também. Uma das razões pelas quais o número é provavelmente maior também é que ele está lidando com negligência médica. Então, vou dar um exemplo. Eu vi um cara que caiu do seu assento. E o guarda olhou para o cara, mas o [outro] prisioneiro foi o único que reagiu e começou a  fazer no cara ressuscitação boca a boca. Bem, o cara que estava fazendo ressuscitação, o rosto dele começou a ficar azul. Cinco minutos depois, a enfermeira chega, e eles se inclinam e dizem para o cara e  ao policial que eles estavam fazendo o boca-a-boca da maneira errada. Sinceramente, sentei-me lá e os vi matando esse homem por esse incidente em particular.

E também vimos incidentes em que os caras caem, sem tratamento médico. Eu considero esses assassinatos diretos do Estado. Quando os funcionários não respondem ou respondem e dizem: “Ah, você está fingindo, você não está tendo um ataque cardíaco” e você cai e morre ali. Nós vimos isso acontecer várias vezes também. Então isso também explicaria porque alguns dos prisioneiros diriam que esses números definitivamente seriam mais altos, depois de testemunharem que algumas pessoas podem morrer, do jeito que estão autorizados a morrer.

Se eu puder, eu gostaria de voltar atrás na pergunta que você fez anteriormente em celulares.

Jared: Claro.

D: Em primeiro lugar, eu sempre tenho que entender que a natureza fundamental básica do sistema prisional de hoje em toda a nação é a escravidão. Entendemos que é baseado na 13ª Emenda da Constituição dos Estados Unidos, não podemos contornar isso. Há um negócio de lucro, então é tudo sobre lucro, é sobre a margem de lucro. Isso é o que alimenta os números nas prisões em todo o país. Não é diferente no estado da Carolina do Sul.

Tecnologia, com os prisioneiros tendo acesso à comunicação, o negócio de telefonia perdeu bilhões literalmente, neste estado aqui sozinho. Bilhões! Eles colocaram alguns em quartos aqui, essas maquinas chamas quiosques, eles não estão conseguindo jogar. É aqui que você deve enviar literalmente algo como mensagens de texto para seu pessoal. Eles pensaram que esta seria uma indústria em expansão, [mas] ninguém está usando. Então esta é uma perda de receita.

Resultado de imagem para prison tell kiosk

Foto de um dos quiosques da prisão

Temos essas mesmas empresas de telefonia que estão investindo no departamento de correções, literalmente de graça, dando-lhes equipamentos para encontrar telefones celulares. Dando-lhes equipamento para revistar nossas famílias no portão da frente quando eles vêm nos visitar, dando-lhes equipamentos para monitorar as áreas do portão. Então eles estão dando isso a eles. Não foi apenas uma distribuição gratuita, mas isso porque eles precisam ganhar dinheiro, precisam remover esses telefones do sistema. Isso sempre foi entendido.

Mesmo agora, estou sabendo que, mesmo com o equipamento de interferência que Bryan Stirling está solicitando e supostamente deveria ter para o Condado de Lee agora, eu acho que a empresa é chamada de “algo tecnológico”, eu não tenho certeza exatamente , mas o meu entendimento é que a empresa-mãe é a GTL.

Jared: Eu ouvi esse boato também.

D: Então, eu tenho que fazer minha pesquisa sobre isso, [mas] isso é definitivamente o que eu estou ouvindo. Isso é tudo sobre negócios, isso é tudo sobre dinheiro. No minuto em que eles podem acabar, é como usar uma pedra para matar dois pássaros ao mesmo tempo. Você elimina essa lacuna de comunicação, a lacuna em que está fazendo reportagens, porquê na maioria das vezes, quando sai com muitas coisas frívolas, é imediatamente refutada por nós, por algumas fotos ou alguns vídeos ou algo assim. Dizendo: “Não,não  isso é o que aconteceu”. Isso é incomum. Isso é algo muito revolucionário, uma geração muito nova no sistema prisional. Eles não estão acostumados com isso; eles tinham todas as comunicações com a mídia bloqueadas.

Lembre-se de que o SCDC tem uma política em que não podemos conversar com a mídia, a menos que seja autorizado pelo Departamento de Correções da Carolina do Sul. E eu tenho uma grande cisma com isso.

Gangues, Violência e Trabalho Prisional: “Uma situação perdida”

Jared: Certamente. Então vamos girar um pouco porque há muita conversa agora sobre violência. Então, há algumas perguntas que gostaria de fazer sobre isso. Uma é, o que vocês vêem como a fonte de violência dentro das prisões? E então a outra é sobre gangues e essa ideia – porque eu acho que as pessoas realmente não pensam muito sobre isso – sobre porque alguém pode se juntar a uma gangue na prisão e porque eles podem ser ainda mais propensos a se juntar a uma na prisão do que quando eles estão do lado de fora?

E: Eu teria que dizer lidar com as gangues … Bem, eu vou começar primeiro com o que o irmão perguntou sobre o que estimula a violência. Eu pessoalmente, sinto que a violência é estimulada pela natureza opressiva da besta e pelo que estão fazendo. Como todos já mencionaram, eles estão constantemente tirando coisas e nos mantendo confinados em uma caixa. E você pega três ou quatro tribos diferentes, que normalmente podem se dar bem, ou se vêem em um nível de negócios ou quaisquer que sejam os termos, mas você as coloca em uma caixa e não as separa ou dá a elas qualquer coisa para ser… Então você pode saber que esta área pode ser predominantemente dessa cultura, ou aquela área pode ser predominantemente aquela cultura, mas eu vou pegar todas elas e misturá-las, só para que eu possa confundir. Porque para mim, parece que eles aumentam a violência porque esse é o tipo de mídia que eles precisam para colocar suas coisas em prática.

Então volta para os [telefones celulares], e nós contamos a verdade sobre o fato e isso é um problema para eles, porque eles vão dizer que [a violência] é por causa de um telefone celular, ou é por causa disso e aquilo. Eles não vão se sentar lá e dizer que [o que está acontecendo] é porque [eles] continuam nos oprimindo, tirando de nós, e não nos dando nenhuma saída para fazer e ser sobre coisas positivas.

Hoje em dia, você tem as tribos, ou as “gangues”, como alguns podem dizer, com ideias positivas para fazer e reunir e unificar, apesar do que a polícia ou os policiais estão fazendo. Eles estão firmes tentando tirar toda a nossa esperança, mas ainda temos irmãos e organizações se unindo, tentando ainda corrigir a unidade em um nível em que não temos nada para esperar. Então, você só pode imaginar como é desanimador quando estamos nos esforçando para fazer tanto melhor e muito maior, mas ainda estamos com um pé no nosso pescoço. Eu pessoalmente [creio], que pode inflamar [o drama] a qualquer hora, em qualquer lugar, na rua, na penitenciária, onde quer que seja.

Então eu tenho que dizer, isso é incitado por eles mesmos. Eu sinto que eles sentem como, se a violência continua o suficiente, eles podem colocar o seu giro sobre isso e eles podem basicamente – como disse o meu camarada – trazer o bloqueio para o quintal. Eles nos mantêm trancados para nada. Cada pequena coisa, eles culpam [escassez de pessoal]. Eles não nos dão banho, eles culpam a falta de pessoal.

Se um incidente acontecer, não haverá policiais para proteger ninguém. Isso é outra coisa sobre as gangues. Hoje em dia, você não sabe, esses jovens irmãos podem precisar de proteção. Eles não podem olhar para os policiais e dizer que esses policiais vão o proteger e o manter em segurança. Não é nada disso. Você tem que se virar por si só. Então eu olho para isso, essa é outra razão pela qual as pessoas estão se juntando a essas gangues assim.Não são todos, mas você só pode imaginar, você tem crianças voltando aqui 16, 17, [anos] que não tem ninguém. Você está jogando eles aqui com [prisioneiros] em uma prisão de segurança máxima com 100 anos [sentenças]. Você vai ter que ter alguém ou algum tipo de maneira de se achegar. Ou algumas pessoas simplesmente perdem a esperança e apenas caem no esquecimento, fazendo o que tem que fazer para passar, mas também você tem algumas pessoas que tentam. E , para mim, às vezes as gangues são uma saída melhor para elas, porque não precisam se preocupar com as pessoas tirando vantagem delas.

Porque, como eu disse, você precisa se proteger aqui. Não é como costumava ser onde você tinha bastante oficiais e outras coisas. [Naquela época], algo podia explodir, podia cair e ficar quebrado e [ainda sim] sob controle. Não, agora os policiais estão correndo no sentido oposto.

Você pode tentar escapar de se machucar, eles vão te trancar nas asas e causar a sua morte. É exatamente por isso que eles estão tentando pegar esses telefones, porque somos os únicos que divulgamos isso e deixamos as pessoas saberem o que estão fazendo. A vida desse homem poderia ter sido salva, mas os policiais não fizeram seu trabalho.

S: As pessoas não nascem criminosas. Eles são criminalizados pelos ambientes em que estão socializados. A 13ª Emenda da Constituição dos Estados Unidos é a prova, por si só, de que a quantidade maciça de armazenagem dos presos não é por acaso. E mesmo os presos condenados por crimes violentos ou que possam estar envolvidos em atividades violentas podem um dia retornar à sociedade ainda. Casos de pessoas podem ser derrubados, alguns desses caras têm datas limites de permanência na Máxima, alguns podem receber uma liberdade condicional. Então, não seria sensato que eles implementassem programas que melhorassem os prisioneiros,e não que os tornassem piores? Eles deveriam querer curar qualquer coisa que considerem estar doente ou algo assim.

A própria sociedade promove e produz violência. As pessoas não estão ficando assim na prisão, elas já estão assim lá fora. Televisão, filmes, videogames, histórias em quadrinhos, romances, desenhos animados sozinhos. Eles estão doutrinando esse comportamento psicológico. Eles estão fazendo isso na sociedade.

Como o irmão disse, alguns desses caras que estão presos aqui são jovens. Esse é um comportamento aprendido, eles não nasceram violentos. E em relação à questão da sobrevivência, criamos nossos próprios meios de sobrevivência, porque o Estado não nos fornece suprimentos adequados de nada. Eles nos dão um rolo de lenços de papéis por semana. Um rolo por semana, é isso. São 15 a 18 horas entre as refeições aqui às vezes. Isso é apenas realidade.

Apenas os trabalhadores das indústrias prisionais são pagos pelo trabalho. O trabalho de todo mundo é trabalho livre. Mas estamos vendo esses outros prisioneiros indo para o trabalho, sabendo que eles estão recebendo um cheque de pagamento, eles até mesmo declaram imposto. Eles podem pagar pensão alimentícia e prover suas famílias. Todos os prisioneiros devem ser pagos por todo o trabalho, não apenas pelas indústrias prisionais.

Eles estão fazendo milhões de dólares com prisioneiros federais e prisioneiros estaduais em todo o país através das indústrias da prisão. Isso é fato.

D: Isso é bem real. A maioria dos prisioneiros, quando eles chegam à prisão, vem com a mentalidade de que eles querem se juntar, e eu acho que muitas pessoas sentem falta disso ali. Mesmo aqueles que são rotulados como violentos – e quando ouço pessoas dizerem “violentos”, temos que ter cuidado com esse termo. Porque muitas vezes as pessoas estão usando esse termo “violento” e vemos os políticos dizendo “bem, não vamos apoiar os infratores violentos”. É um novo tema agora, onde apenas promovemos políticas [que beneficiam ] infratores não violentos. E isso me deixa doente porque, no final das contas, quem determina o que é violento? Quem determina o que é um infrator violento? Para mim, é um monte de pessoas que formam essas leis e determinam o que é violento e o que não é. E muitas vezes as pessoas  comentem crimes ditos não-violentos e esses são crimes violentos para os meus olhos. Você sabe, então sou muito cuidadoso com o termo infratores não violentos versus infratores violentos.

As pessoas que eles querem categorizar e rotular como infratores violentos em sua maior parte, esses irmãos e as mulheres que chegam à prisão, entram com a mentalidade de que querem fazer a coisa certa. Eu acho que no minuto em que eles entram através desses portões, e no minuto em que começam a observar o ambiente, eles começam a reconhecer imediatamente que qualquer mudança que eles querem fazer, eles não precisam fazer isso, eles serão percebidos de uma certa maneira e eles serão tratados de uma certa maneira, você sabe, e será uma situação de perda para eles. E as pessoas têm que realmente entender que existem  humanos entrando por esses portões e se tornando prisioneiros, e no processo, o ambiente aqui está piorando. Está criando algo nesses prisioneiros que é muito pior do que quando muitos desses homens e mulheres vieram pra cá.

Porque, mais uma vez, eles podem ter feito algumas coisas terríveis por aí, mas na maioria das vezes, quando eles começam a passar pelo processo de encarceramento e eles reconhecem os dias que esperam por eles, eles querem mudar, eles querem fazer algo diferente. Puta merda, eu sei porque eu era exatamente quando cheguei aqui até que eu passei pelo centro de recepção e avaliação, e vi que não ia dar certo.

Essa é outra razão pela qual algumas pessoas querem se agrupar. Algumas pessoas querem a família de volta aqui também. Eu gosto de chamá-los de formações de rua [em vez de usar o termo gangue]. Muitas vezes, as pessoas precisam de alguém que possa cuidar de seus melhores interesses também. Não apenas no papel de proteção, mas também alguém que dá a mínima pra você, porque o sistema é extremamente frio. Então, quando você está sentado aqui atrás, e você está bebendo, você está fumando, você está fumando seu beck, você está falando sobre seus entes queridos com o seu parceiro lá, isso é um sentimento diferente de quando você consegue sair desse celular e você está olhando para a prisão em si e para o ambiente em si, que é um lugar frio.

Então todo mundo procura algum senso de conforto, algum senso de amor, que é outra razão pela qual eu acho que quando o sistema prisional elimina nossos contatos, nossos laços familiares é realmente prejudicial para os prisioneiros reentrarem na sociedade com sucesso, mas isso é outro assunto.

S: Deixe-me fazer uma rápida colocação sobre o que ele disse sobre os infratores não-violentos versus violentos, porque eu gosto do que ele disse. Lá fora, na sociedade, quando eles estão falando sobre que tipo de pessoas estão encarceradas – como se alguém fosse condenado por assassinato – isso é considerado um crime violento. Mas isso poderia ter sido um crime violento pela primeira vez. E então ele vem para a prisão, ele está na prisão há quinze anos, e ele nunca teve outro crime violento em seu registro, ele nunca teve um comportamento violento na prisão, ele não está envolvido em nenhuma atividade violenta [aqui dentro], então por que ele ainda é considerado uma pessoa violenta? Só porque ele tem uma carga violenta em seu registro, isso não significa que ele está se entregando a atividades violentas. Porque às vezes, as pessoas na prisão que têm acusações não violentas, às vezes são as envolvidas em atividades violentas aqui.

 

“GREVE NACIONAL DO SISTEMA CARCERÁRIO: Fazendo uma pausa para agradecer a todos os repórteres que estão cobrindo a greve dos prisioneiros para 21 de agosto. Um sistema está sendo desenvolvido para garantir que todos estejam sendo respondidos o mais breve possíveis. Isso é importante para que os pressos tenham suas vozes amplificadas.”

Raça e Penas: “Uma forma moderna de escravidão”


Jared: Lee Correcional Facility é nomeado em homenagem o condado de Lee. E  esse condado é nomeado em nome Robert E. Lee. Então você tem um general confederado e um ex-proprietário de escravos e você tem uma instalação que está em seu nome, que realmente, como todos vocês mencionaram,  carrega essa mesma tradição em 2018. Até que ponto você acha que isso é notado pelos prisioneiros? O que isso significa para os prisioneiros que fazem essa conexão?

D: E quando Lee inaugurou, em 1994?

Jared: Sim, naquela época.  E apenas para dar um pouco mais de contexto, o condado foi nomeado pela primeira vez como Lee County em 1890, após o término da Reconstrução.

S: Minha única resposta a isso é que os prisioneiros eram provavelmente da área de Bishopville eque podem ter essa informação através do sistema educacional, ou prisioneiros conscientes que lêem e pesquisam coisas – esses prisioneiros podem estar cientes disso, mas pelo grande maioria dos prisioneiros, que não têm nenhum significado para eles, porque a maioria deles não tem consciência disso.

Quanto ao efeito, posso te falar para mim, diz algo sobre o progresso e onde estávamos mentalmente. Quando esta prisão surgiu, eu acho que entre 92 e 94, para você ainda nomear uma prisão depois da duração desse período… Embora, não se enganem, todos nós sabemos que uma prisão não é nada mais que uma forma moderna de escravidão. Então, se nós entendemos esse fato vemos então que realmente é bem adequado. Mas ainda assim, parece que você não gostaria de nomear uma de suas instituições estatais com algo que remeta a isso. Parece que alguém levantaria a mão e diria “não”.

Eu acho que isso também me diz, como um negro, como muitos negros estão condicionados nessas áreas do sul também. Porque tenho certeza de que eles sabiam o que o nome condado de Lee representava. Os que votaram nesta instituição em particular naquela área, os que estavam dizendo que manteriam esse nome, eles sabiam, e eles não disseram nada.

Esse é o tipo de mentalidade com o qual estamos lidando no estado da Carolina do Sul hoje, e é por isso que estou constantemente lembrando as pessoas de que temos a taxa mais alta relacionada às disparidades raciais no país. Estamos no top seis ou sete estados no que diz respeito às disparidades raciais relacionadas às taxas de condenação e prisão no país. Acho que somos apenas 20% a 30% da população da Carolina do Sule e mais de 60% da população carcerária. 

Eles fizeram um estudo, há não muito tempo atrás, que nos dizia especificamente que negros estavam sendo automaticamente sentenciados em demasia pelos juízes. Dizia que, se você fosse negro, teria 50 vezes mais chances de ser preso por um delito mínimo do que se fosse de outra cor. Se você fosse comparado a réus brancos, teria mais de 70% de chance de ser condenado a sentenças mais longas, com base em sua raça.  Todo mundo conhece a cor do estado da Carolina do Sul quando você entra no sistema prisional. Eu acho que tudo isso é um indicador da natureza da fera com a qual estamos lidando.

E eu tenho que notar que, mesmo quando a Carolina do Sul estava passando pela fase de Reconstrução, todos esses mesmos negros que faziam parte da fase de Reconstrução foram eventualmente demitidos, e isso porque havia um compromisso entre o Norte e  Sul. E nós temos sempre que lembrar bem disso aí. É quando voltamos a 1865, quando voltamos à 13ª Emenda, a emenda constitucional e o compromisso alcançado na tabela. A dinâmica de poder no sul nunca mudou. E acho que estamos vendo a podridão disso nos tempos de hoje. É por isso que acho que estamos vendo essas respostas extremas, essas reações extremas nos sistemas penitenciários em todos esses estados do sul.

S: Toda vez que os prisioneiros se esforçam para se organizar, se unir para melhorar as coisas, a administração realmente não lhe dá muito apoio ou os atacam. Por exemplo, um dos meus camaradas, ele até foi solto da prisão no último ano. Ele foi alocado no condado de Lee em um ponto e ele se tornou um coordenado do complexo.

Ele foi capaz de organizar mais de 150 membros a cada semana para se reunir positivamente, sentar e ter discussões e coisas dessa natureza. Sempre que houvesse qualquer tipo de altercação ou qualquer outra coisa, eles tentavam conversar sobre as coisas primeiro e, na maioria das vezes, se não conseguissem, então eles lidavam com isso como homens e as vezes se exaltavam. Mas não havia muitas facas e pessoas sendo mortas ou esfaqueadas. Tudo isso ficou calmo por um tempo. Então você tinha o supervisor STG (Grupo de Ameaças de Segurança) da matriz e ele foi com o diretor naquela época, e eles o chamaram para uma conferência e eles queriam que ele explicasse a eles como é que você poderia ter Crips [N.do.T.: Crips é o nome usado para designar membros de gangues de rua de Los Angeles], Bloods [um membro de uma tribo indígena norte-americano pertencente à Blackfoot], Muçulmanos, etc, na mesma sala, toda semana e nunca há violência acontecendo? O [STG] disse [ao diretor] que [os prisioneiros] estavam tramando algo, foi assim que eles se sentiram sobre isso. E o que eles fizeram para [o prisioneiro coordenando o programa]? Eles o enviaram para outra instituição.

Quando o transferiram para outra instituição, começaram a fazer coisas no pátio do condado de Lee, do ponto de vista do programa. Para encurtar a história, [o coordenador] acabou sendo mandado para casa. Enquanto ele foi para casa, agora você tinha outras coisas aparecendo em outros estaleiros, que não tinham esse tipo de coisa positiva acontecendo. Eles moveram esses caras, empilharam todos esses caras em um quintal, todos de um lado, esperaram que uma coisa acontecesse. Boom! Você tem a pior coisa que aconteceu nos últimos 25 anos. Isso foi estrategicamente implementado.

D: Sim. Absolutamente. E eu acho que é muito importante notar que, de volta ao Condado de Lee, muito brevemente, que tudo isso aqui não é por acaso. Nada disso é por acaso. Essa é a parte triste disso.

S: Sim, eles foram usados como ratos de laboratório. Mais uma coisa em relação às leis e coisas assim: muitas vezes na Carolina do Sul, as pessoas são condenadas injustamente. E sempre que alguém descobre isso – e isso é algo que afeta muitos prisioneiros – e eles colocam isso no tribunal e eles aprovam uma lei ou algo assim, e eles sabem que fizeram muito de errado com um monte de gente, mas o que eles farão é colocar uma palavra nela para que [não tenha efeito] retroativamente. Porque se eles tivessem que [implementar] retroativamente, eles teriam que deixar muitas pessoas irem, porque eles condenaram muitas pessoas injustamente. Eles estão fazendo isso há mais tempo.

“As pessoas negras da Carolina do sul tem quatro vezes mais chances de serem presas que brancos #fato”

Reformas e Abolição: “Acabar com as condições desumanas”

Jared: Então eu quero dar a todos vocês uma oportunidade de falar sobre mudanças. Que mudanças você gostaria de ver no sistema prisional? Quais mudanças você acha que poderiam melhorar a situação? E então a segunda parte disso é: o que você gostaria de ver as pessoas do lado de fora para apoiar? Mas vamos começar com a primeira parte.

D: Então, que mudanças gostaríamos de ver no sistema prisional?

Jared: Sim. Eu sei que alguns de vocês são abolicionistas, mas o que pode ser feito para necessidades imediatas em termos de reformas.

 D: Sim, estou sempre pensando nisso como um processo de desmantelamento. Eu tenho tentado empurrar isso por um tempo. Nós chamamos isso de um processo de desmantelamento. E isso dá a oportunidade para outras pessoas entrarem com suas idéias de reforma, porque eu não acho que podemos ir de um ângulo até o outro ângulo, como de zero a cem, simplesmente não vai acontecer como aquele. Não vai ser assim.

No entanto, algumas das coisas que sinto podem realmente melhorar. Melhorias. Em primeiro lugar, condenação. Reformas condenatórias no estado da Carolina do Sul. Não é apenas a reforma do sentenciamento no estado da Carolina do Sul, é na verdade uma reforma da sentença em todo o país. Eles precisam se livrar desse acordo de verdade em condenação, ponto final.

Precisamos de um fim de condições desumanas, e isso significa melhoria de alimentos. Precisamos de terrenos abertos de novo, não apenas de recintos fechados, precisamos desses pátios abertos novamente, onde os prisioneiros podem se mover. Precisamos [deixar sermos vistoscomo] prisioneiros para começar a ser tratados como seres humanos. Precisamos de mais direitos para nossas visitas. Precisamos de programas de educação, eu sou grande [defensor] de programas de educação, em particular Pell Grants, há alguns outros nomes, e eles precisam ser trazidos de volta aos sistemas penitenciários novamente.

Não apenas isso, mas o que o estado da Carolina do Sul fez quando a população prisional caiu – ao invés de fechar as prisões de segurança máxima, eles fecharam suas opções de trabalho. Precisamos de versões de trabalho que sejam reabertas e expandidas. Então precisamos de uma última coisa: precisamos de pagamento. Precisamos que prisioneiros sejam pagos pelo seu trabalho. Se você está fazendo o trabalho em geral, você precisa ser capaz de ser pago por esse trabalho, da mesma forma que se trata de acabar com a escravidão nas prisões. Precisamos acabar com a escravidão nas prisões, o que acho que é um gatilho para o trabalho abolicionista. Mas, no entanto, precisamos acabar com a escravidão nas prisões para trazer de volta muitos desses prisioneiros que recebem seus salários. Então eu acho que são coisas imediatas que podem ser melhoradas. Havia outra questão além disso?

Jared: A segunda pergunta era: o que as pessoas de fora podem fazer que realmente seria importante pra a situação, seria importante para as condições dos prisioneiros, seria importante com o que está acontecendo na Carolina do Sul?

D: Por fora, agora, uma das maiores coisas que estamos mudando, em particular, no Jailhouse Lawyers Speak, precisamos nos envolver mais no processo eleitoral, em particular na política local. Precisamos nos envolver mais nisso. Esperamos que nossos entes queridos que estão fora nos apoiem, precisamos organizar mais apoio no terreno no que se refere às prisões. Precisamos ver mais protestos, precisamos ver mais reuniões com esses diretores, precisamos ver mais organização nas capitais estaduais. Precisamos ver mais apoio do que já foi iniciado no terreno no estado da Carolina do Sul.

Precisamos descobrir como obter as nossas cadeias locais e levar as pessoas que estão detidas para votar e levar as máquinas de votação para essas prisões e fazer com que esses prisioneiros tenham a capacidade de votar. O problema com o estado da Carolina do Sul é que é um sistema de bom velhinho, e precisamos mudar a cara dele. E a única maneira de podermos mudar isso é que temos que nos envolver mais no processo eleitoral, mas não apenas votar em um democrata ou republicano ou independente ou qualquer outra coisa, mas votar em pessoas que têm os melhores interesses dos prisioneiros. Cada grupo de pessoas tem interesses e nós temos que encontrar pessoas que tenham nossos interesses no coração.

E: Eu realmente concordo com o que D disse, isso é tudo o que eu realmente direi sobre a reforma do sentenciamento, mais programas, até mesmo a melhor nutrição e recreação, fazermos algum exercício físico e mais educação.

 S: Acho que também precisamos de um sistema de reclamações externo. Porque o sistema de reclamações definitivamente não é justo ou imparcial aqui. As mesmas pessoas que trabalham para a prisão são as mesmas pessoas que estão decidindo se devemos obter resultados ou não de nossas queixas. Tudo o mais acho que o irmão já cobriu. Mas eu também quero dizer para a sociedade, para eles, que aquele que não pecou, ​​lance a primeira pedra. Prisioneiros, alguns de nós aqui, cometeram erros e alguns fizeram as coisas que  nós fizemos, todos cometemos erros. Mas nós pagamos pelos nossos erros. Mostre um pouco de humanidade. Isso é o que queremos que a sociedade faça: é mostrar um pouco de humanidade.

D: Uma última nota que eu queria acrescentar, a base está vibrando agora para uma greve nacional em 21 de agosto em todo o país. Temos vários estados que já prometem participar dessa greve nacional, particularmente em apoio ao estado da Carolina do Sul e aos recentes problemas que acabaram de acontecer. Eles dizem que a Carolina do Sul é um exemplo do que realmente está ocorrendo em todo o país. Acontece que essas pessoas em particular morreram aqui [em Lee Correctional], então eles querem ficar por trás disso aqui e querem destacá-lo mobilizando todo o interior.

Assim, podemos pedir a essas pessoas para apoiá-lo no exterior, precisamos apoiá-lo do lado de fora para realmente termos apoios nessas ações. Deixe as pessoas saberem que sempre que os prisioneiros decidirem fazer uma greve ou sentar-se, o público está atento e eles estão atentos a qualquer tipo de ação de retaliação que possa ocorrer durante todo o processo dessa resistência e que pode estar ocorrendo em toda a nação em 21 de agosto.

Jared: Ótimo, absolutamente, há mais alguma coisa que alguém queira acrescentar sobre Lee ou qualquer outro ponto em que possamos ter perdido alguma coisa?

E: Eu gostaria apenas de acrescentar isso no rescaldo do incidente que aconteceu em Lee, e em todo o estado, estamos sendo massivamente punidos. Sem chuveiros, a energia está sendo cortada todo esse tempo, ficamos trancados por uma semana, quase durando duas semanas, e só tomamos um banho e foi assim, eles cortaram a água quente. Que tipo de coisa desumana é essa?

Jared: Há outras condições que você quer que as pessoas saibam desde o incidente em Lee que não foram abordadas?

S: Uma das coisas é que eles têm as placas de metal na janela onde você não pode ver do lado de fora, você não pode ver a luz do sol, você não pode ver a grama ou a luz do dia. Eles estão selados onde você não pode obter oxigênio através dele, a ventilação está toda bagunçada, essas são coisas que eles fizeram recentemente. Eles estão colocando abas nas portas para que você possa deslizar a refeição por ela. Eles estão tornando os prisioneiros animais.

Facebook Comments

Larissa Naedard

Anarcofeminismo, especifismo e axé.